Notícias

Compartilhar Imprimir

Política

21/05/2019

Caso Flávio Bolsonaro: Receita Federal vai criar equipe especial para mapear origem e destino de movimentações atípicas

Compartilhar:

Foto: : Daniel Marenco / Agência O Globo

Grupo vai investigar declarações fiscais de senador, Queiroz e de mais 93 alvos de quebra de sigilo autorizada pela Justiça do Rio

A Receita Federal vai criar uma equipe especial para investigar as declarações fiscais do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), do ex-assessor dele Fabrício Queiroz e de mais 93 pessoas que tiveram seus sigilos bancário e fiscal quebrados por ordem da 27ª Vara Criminal do Rio. Ao longo das investigações, o grupo deverá fazer “aranhas” das movimentações atípicas. Ou seja, vai mapear a origem e o destino final das transações financeiras.


Os mapas vão apontar também os vínculos entre os personagens envolvidos em todas as transações para tentar compreender todo o caminho do dinheiro.


Um dos pontos a ser investigado, segundo uma fonte que acompanha o caso, são os repasses de dinheiro de Queiroz a Michelle Bolsonaro, mulher do presidente Jair Bolsonaro. Relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), uma das bases da investigação do Ministério Público do Rio, apontou repasse de R$ 24 mil de Queiroz para a mulher do presidente.

 

Veja também 

MP diz que 'organização criminosa' em gabinete de Flávio Bolsonaro tinha 'clara divisão de tarefas'

 

Em uma entrevista em 31 de dezembro passado, um dia antes de tomar posse, Bolsonaro disse que o dinheiro era parte do pagamento de empréstimos feitos por ele a Queiroz, que totalizariam R$ 40 mil.

 

Flávio Bolsonaro em frente à Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), onde

trabalhou por 16 anos como deputado estadual. A primeira eleição dele foi

em 2002, como o parlamentar mais jovem da história da Casa

(Foto: Domingos Peixoto / Agência O Globo)


A declaração de Bolsonaro ajudou aliados a rebater críticas de adversários no campo político. Mas, para a Receita, será necessário avançar no tema. Queiroz terá que dar explicações detalhadas sobre como teria recebido os recursos e, posteriormente, feito os pagamentos.

 

Curtiu? Siga o PORTAL DO ZACARIAS no Facebook e no Twitter. 


Segundo um auditor, a Receita não exige um contrato formal de empréstimo, mas em casos similares o investigado é obrigado a comprovar a saída e o retorno do dinheiro. O auditor afirma que casos deste tipo são comuns na rotina do fisco. Com o repasse feito por Queiroz a Michelle, não teria porque ser diferente.

 

Flávio é filho mais velho do presidente Jair Bolsonaro e irmão do vereador

Carlos Bolsonaro (à esquerda) e do deputado federal Eduardo Bolsonaro

(à direita) (Foto: Arquivo pessoal / Arquivo pessoal)


Procurada pelo O Globo, a Receita Federal disse que não faria comentários sobre o assunto. O senador Flávio Bolsonaro tem afirmado que “tudo será provado em momento oportuno dentro do processo legal”. A defesa de Queiroz já impetrou um habeas corpus para anular as quebras de sigilo com o argumento de que não há “embasamento legal”, além de sustentar a legalidade das operações do ex-assessor.


O Globo

 

Deixe seu comentário

Nome:

Mensagem:

publicidade

Copyright © 2013 - 2019. Portal do Zacarias - Todos os direitos reservados.