Notícias

Compartilhar Imprimir

Esportes

14/04/2019

Criança trans é impedida de participar de competição internacional de patinação

Compartilhar:

Foto: Arquivo Pessoal

Maria Joaquina, 11 anos, participaria do Campeonato Sul-Americano de 2019, competição internacional de patinação artística, que será sediada em Joinville (SC); classificada, ela teve convocação ignorada

Desde a primeira competição de Maria Joaquina Cavalcanti Reikdal, 11 anos, seus pais, Gustavo Cavalcanti, 37, que é o empresário e professor, e Cleber Reikdall, 39, lidam com desafios que outros pais não enfrentam na vida esportiva de seus filhos e filhas.

 

A motivação é a identidade de gênero da atleta: Maria é uma criança trans. As proibições, impedimentos e até recusa em responder os pedidos de inscrições são recorrentes.


“Não é fácil, a gente briga para que ela exista socialmente. Se a gente não faz isso, ela não existe. No colégio, ela viraria menino porque chamariam pelo nome de registro. Ser pai de uma criança trans é uma luta diária, não consigo nem sequer viajar sem brigar, acham que estou raptando ela. As pessoas veem o documento e perguntam: Cadê ‘ele?’. É um constrangimento todo dia”, disse Gustavo à Ponte.


A negativa mais recente aconteceu para a participação de Maria no Campeonato Sul-Americano 2019, que começa em 23 de abril. Gustavo recebeu um e-mail da Confederação Brasileira informando que Maria não poderá competir entre as meninas, apesar de ela ter sido vice-campeã no Campeonato Brasileiro. Ela tinha aval da Confederação Brasileira para competir entre as meninas tanto no nacional quanto na disputa estadual no Paraná, onde vivem.


Veja também

Respeitar gênero e nome de pessoas trans reduz riscos de suicídio e depressão, diz estudo


Em 2017 e 2018, a garota de 11 anos figurou nas últimas posições da disputa. “Achavam que ela nunca ia despontar e aceitavam porque era uma menina fraquinha, sempre foi boa e competia em categorias acima. Neste ano, permitiram que competisse no feminino na categoria internacional, a que dá vaga para o Sul-Americano e ela ficou em segundo lugar. As cinco primeiras são chamadas para o Sul-Americano”, explica Gustavo.


No documento, a Confederação Sul-americana de Patinação alega que as inscrições são baseadas no sexo de nascimento. “O Comitê Executivo da Confederação Sul-americana de Patinagem, com base nos Estatutos e Regulamentos vigentes desta Confederação Regional, informa que só se permite que compitam em seus eventos patinadores cujos documentos de identidade confirmem a que categoria a que pertencem, ou seja RNI [Registro Nacional de Identidade] masculino = categoria masculina, RNI feminino = categoria feminina”, justifica. E finaliza: “Tal conceito não é passível de contestação, uma vez que segue os mesmos critérios da Federação Continental de Patinagem, World Skate America e da Federação Internacional de Patinagem e World Skate”, listam.


Seguindo orientações, Gustavo procurou a World Skate. Apesar de começar o e-mail com a frase “antes de mais nada, a Federação Internacional tem por obrigação concordar em aceitar atletas transgêneros”, teve uma resposta semelhante.

 

“Você coloca uma situação interessante. Como você diz, níveis de testosterona são uma questão importante. Na transição de feminino para masculino, só é necessário manter os níveis normais de testosterona para um homem. Masculino para feminino é um pouco mais complicado. A política mundial de skate trabalha alinhada aos requisitos do IOC (Confederação Olímpica Internacional, na sigla em português COI) e os níveis de testosterona devem ser menores que 5nmol/L por pelo menos 12 meses antes da competição. Além dos níveis de testosterona, há outras normas e condições que atletas precisam aceitar”, finaliza a organização.

 

Confederação Internacional de Skate ao e-mail enviado por Gustavo,

justificando a restrição a competidores trans (Foto: Reprodução)

 

Segundo o pai, Maria possui 0,5 nmol/L de testosterona e compara com Talia, sua irmã e filha mais nova do casal, de 9 anos, que apresenta 0,7 nmol/L. “A Talia, com 9 anos, chegará a 100 de testosterona na puberdade. A da menina também sobe a quantidade do hormônio nessa época. Nem tem vantagem hormonal, ela terá esse processo só depois, não está tendo agora”, explica.


Cavalcanti também contou as experiências anteriores de Maria em pista. “No primeiro campeonato, só pedimos que fosse respeitado o nome social. Não era um torneio competitivo e isso não afetaria nada. Ela entrou na pista como novatos aqui no Paraná. Mas a chamaram por outro nome, disseram que o cara do som sem querer esqueceu. Ela tinha de 8 para 9 anos. Aí começou a briga, não íamos permitir que falassem de novo. Queríamos que fosse ao menos respeitado o nome social”, conta Gustavo.


A segunda competição de que Maria participaria não aconteceu pois a organização não respondeu ao pedido dos pais e o tempo de inscrição encerrou antes do nome da menina ser adicionado ao nome de atletas participantes. Tratava-se do Campeonato Paraense de patinação. “Ela não pôde competir, não garantiram se a chamariam, se deixariam ela competir no masculino ou feminino. Apontaram que, como é um assunto novo, não iriam opinar”, explica Cavalcanti.


Em outubro de 2017, Maria disputou um torneio de classificação para a Copa Mercosul, depois que seus pais conseguiram na justiça uma decisão liminar (urgente) para que ela pudesse competir. Com isso, a juíza ligou para o organizador e ordenou que ele voltasse atrás para que Maria pudesse participar. “Ela ficou praticamente em último, mas estava participando, como queríamos”, defende o pai.

 

Decisão da Confederação Sul-americana de Patinação (Foto: Reprodução)


O caso de Maria lembra o da jogadora de vôlei Tiffany Abreu, primeira transexual a disputar a Superliga, liga oficial de vôlei feminino. Tiffany, 33 anos, atuava no torneio masculino em 2011 antes de passar pela transição e competir com as mulheres, a partir de 2015. Com a mudança, críticos apontam que ela possui vantagem física em quadra, ainda que os números apontem para direção diferente em relação ao desempenho. A jogadora atua de acordo com regras do COI (Comitê Olímpico Internacional), sem que seja obrigatória a cirurgia de redesignação sexual.


Há no Rio de Janeiro um deputado estadual que tenta aprovar PL (Projeto de Lei) que proíba a participação de atletas trans em competições esportivas no estado. A figura em questão é Rodrigo Amorim (PSL), o mesmo que quebrou uma placa em homenagem à vereadora assassinada Marielle Franco. “O pessoal compara muito a Maria com a Tiffany, que a jogadora é muito maior do que as outras, mas na patinação não existe biotipo, qualquer pessoa que vê os atletas entende”, defende o pai.


Para Gustavo, a justificativa do biotipo não faz sentido, uma vez que a patinação artística não é feita pela força e sim pela arte, por isso Maria não teria vantagem sobre as outras patinadoras. Além disso, garante o pai, em termos de patinação, meninos não têm vantagem.

 

“No masculino, ela estaria ganhando super fácil, pois o Sul-Americano praticamente não tem meninos. Teria pódio garantido. Saiu a ordem de inscritos e só tem um menino. As vagas para masculino sempre sobram. Na categoria, só uma vaga preenchida. Todo menino tem desempenho muito mais baixo que meninas até 15 e 16 anos, depois despontam. A nota do melhor menino foi de 15, a Maria teve 21 no torneio e a 1ª colocada, 21,20”, defende o pai.


A história de Maria


Gustavo Cavalcanti e Cleber Reikdal adotaram três irmãos em um processo que demorou apenas um mês. Mas eles não foram informados de que uma das crianças era transgênero. No começo, confessa Gustavo, os pais não souberam como lidar com a situação, mas permitiram que Maria usasse roupas femininas.

 

Fizeram um acordo com as crianças que todo mundo seria chamado por apelido. Ela seria chamada de Jojo, o irmão Carlos de Caca e a irmã Talia de Tata. Mas pouco depois, Jojo se tornou Maria Joaquina. Foi a própria menina que escolheu como gostaria de ser chamada, por causa da sua personagem favorita da novela infantil Carrossel.


Antes da transição, Maria não se olhava no espelho, não interagia com a família, apesar de demonstrar carinho e afeto, e tinha um olhar triste. “Sempre que publicávamos fotos dos três e a minha mãe, que mora no Nordeste, perguntava da cara de triste da Maria não sabíamos dizer o que era. Era criança, mas tinha um olhar triste. São duas crianças distintas antes e depois do diagnóstico”, salienta o pai.


O ponto mais grave foi quando a menina passou a se mutilar. Foi quando os pais perceberam que era muito mais do que visual, era como a filha queria ser vista e tratada. “Ela furou o brinco sozinha. Pegou e furou a orelha. Sangrou demais, tem um corte gigante por causa disso. A dor de se ver era tão grande que precisava ter a reação e virava dor física. O trauma de hoje é com o cabelo. Se cortar, é como se perdesse a força”, relembra Gustavo.


Um episódio, segundo o pai, mostra como era a vida de Maria antes de começar a transição. “Eu e Cleber, meu companheiro, faríamos o aniversário dela em um buffet infantil. Uma vez, fomos com eles na casa de parentes com piscina, ela pegou um maiô como a Tata, nós mal percebemos. Quando chegou, eu levei uma sunga e pedi para ela colocar, como um dos nossos acordos para o princípio. Ela não questionou e brincou normalmente. Quando chegou no carro, chorou. Disse que não queria mais o aniversário no buffet, queria em casa para chamar pouca gente. Em casa, ela poderia ser ela, poderia usar vestido, como nós acordamos. Ela entendeu a situação, só chorou no carro”, conta o pai.

 

Curtiu? Siga o PORTAL DO ZACARIAS no Facebook e no Twitter.


Quando a identidade de gênero de Maria foi comprovada, sua vida mudou completamente. “Ela ama patinação, vem do colégio e entra na patinação direto, é onde ela pode ser o que ela é. O sofrimento dela hoje é de achar que as pessoas possam não gostar dela porque era menino, embora seja muito segura de ser uma menina trans. Cada vez fica mais forte a identidade dela”, explica Gustavo.


El País

Deixe seu comentário

Nome:

Mensagem:

publicidade

Copyright © 2013 - 2019. Portal do Zacarias - Todos os direitos reservados.