Notícias

Compartilhar Imprimir

A Entrevista

24/12/2016

Sem contrapartidas, Rio não terá programa de recuperação, diz Meirelles em entrevista

Compartilhar:

Foto: Ailton de Freitas / O Globo

Ministro da Fazenda diz que exigências fiscais foram pensadas para o governo fluminense

O ministro da Fazenda Henrique Meirelles garantiu ao Globo que não haverá afrouxamento do projeto de renegociação das dívidas dos estados com a União e que medidas como suspender reajustes de servidores e cortar gastos vão voltar, apesar de as contrapartidas terem sido retiradas do projeto na votação na Câmara.

 

Ele lembrou que as exigências foram feitas sob medida para o Rio, estado em pior situação financeira. Neste caso, para se beneficiar de um programa de recuperação fiscal, que permitirá aos estados em pior situação financeira ficarem três anos sem pagar suas dívidas com a União, o governo estadual terá de cumprir tudo o que estava na proposta original. Segundo Meirelles, o “pacote de bondades” anunciado na última semana será importante para reduzir o endividamento das empresas e famílias e vai permitir que o crescimento de 1% da economia se concretize em 2017.

 

O Globo: O governo decidiu dar um presente de Natal aos trabalhadores e empresas com medidas como a liberação do saque das contas inativas do FGTS e a renegociação de dívidas tributárias?

 

Henrique Meirelles: Tudo aconteceu dentro de um cronograma previamente anunciado. No caso das medidas macroeconômicas, dissemos que a PEC do teto seria aprovada esse ano e foi. Anunciamos que a reforma da Previdência seria anunciada este ano e foi. Fizemos uma reunião com o Banco Mundial e anunciamos que iríamos fazer uma agenda microeconômica. Ela foi cumprida rigorosamente.

 

Mas as bondades foram anunciadas num intervalo curto de tempo. Isso foi para desviar a atenção da população num momento em que a crise política se agravou?

 

Não. Como tudo na vida, há coincidências. É normal que o governo apresente aquilo que está sendo feito. A agenda foi estritamente técnica.

 

Das medidas anunciadas, qual é a mais impactante para a economia no curto prazo?

 

Acho que é o programa de regularização tributária. Um grande número de companhias estão impedidas de tomar crédito porque estão irregulares com a Receita. Elas poderão voltar a tomar crédito e participar da retomada da economia, contratando, expandindo e refazendo estoques. Já o FGTS dá condições para que haja um impulso mais rápido no consumo.


O governo espera que o crescimento da economia em 2017 seja de 1%. As novas medidas vão aumentar esse número?

 

Não. As medidas visam levar o PIB a esse patamar. Se nada fosse feito, o crescimento certamente seria menor que 1%.

 

O governo vai obrigar as operadoras a baixarem os juros do cartão de crédito?

 

Não. Vai existir uma mudança normativa do CMN que vai limitar em 30 dias o crédito rotativo. A partir daí ele vai ser transformado num crédito parcelado. Isso já cria condições para reduzir taxas de juros. Existem também outras medidas operacionais, como máquina única nos estabelecimentos comerciais e facilitação do cadastro positivo. É um conjunto grande de medidas que permitem uma queda dos juros.

 

Mas como garantir que eles vão cair pela metade?

 

A PEC do teto já foi aprovada e a reforma da Previdência já foi apresentada e temos a expectativa de que ela esteja aprovada na Câmara até março. Com isso, passamos a ter as condições para uma queda importante de juros. Dentro desse quadro, nós concordamos que seria importante para todos explicitar de quanto seria essa queda (nos juros cartões). Caso contrário, ficaria uma conversa que ninguém levaria a sério. Diriam: “Ah, vai cair de 435% para 429% ao ano”. Eles afirmaram que vai cair para menos da metade. E nós concordamos que era um patamar razoável de queda.

 

E o que o governo pode fazer se eles não reduzirem os juros?

 

Existem medidas regulatórias. A mais forte delas é a questão do prazo para o pagamento ao lojista. Caso haja uma diminuição do prazo de pagamento, isso terá um custo importante para a indústria de cartões. De uma forma ou de outra, o cliente vai receber o benefício.

 

O governo tem duas reformas ousadas no Congresso num momento em que está fragilizado politicamente. Como conseguir avançar nessas agendas?

 

A minha visão é que essas medidas têm condições de ser aprovadas e a principal razão disso é que elas não são políticas. São medidas técnicas, fundamentais para a economia. Há justificativa econômica para todas elas e são medidas de longo prazo.

 

Não foi um sinal ruim o governo ter deixado Forças Armadas, bombeiros e PMs fora da reforma da Previdência?

 

Isso faz parte de uma estratégia de aprovação para viabilizar a melhor reforma da Previdência possível. O que já foi apresentado é o que já estava consensuado. O importante é aprovar a reforma, não é discutir questões de sinal.


Mas isso dá a impressão de que o governo está disposto de abrir mão de pontos da reforma. O que é inegociável?

 

Existem várias coisas como idade mínima, que são críticas. Ter uma transição eficaz também. Mas evidentemente, vivemos num regime democrático, com um Congresso soberano. O governo não precisa demonstrar absoluta inflexibilidade para ter condições de ter sucesso. Quando ele mostra que é razoável e pode negociar em pontos que não são cruciais, ele ganha força para fechar pontos de fato importantes.

 

Não é maldade fixar 49 anos para receber um benefício integral?

 

Não. Isso é uma boa notícia. Significa que a sua expectativa de vida é muito maior do que era no passado. Os nossos avós tinham uma expectativa de vida muito menor. Eles poderiam se aposentar mais cedo, mas em compensação viviam menos. O que não se pode é ter pessoas que têm mais tempo aposentadas do que trabalhando e contribuindo.

 

A retirada das contrapartidas do projeto dos estados não enfraquece os acordos com aqueles que querem ingressar no programa de Recuperação Fiscal? O Rio precisa de medidas duras para poder reequilibrar suas contas.

 

Já que você perguntou do Rio, eu posso dizer que a proposta aprovada pelo Senado (com contrapartidas) foi desenhada de forma que poderia resolver o problema do Rio, que está em piores condições. Essas exigências terão que ser cumpridas. A Fazenda tem que estar convencida de que o plano, de fato, resolve a situação dos estados. Pode haver em alguns casos a eliminação de alguma condição. Por outro lado, pode haver adição.

 

No caso do Rio, para resolver o problema, o que estava no projeto tem que estar no plano do estado?

 

Sim. Se não tiver tudo aquilo, não tem condições. Apenas a suspensão dos pagamentos da dívida do estado com a União não resolve o problema.

 

O que foi que aconteceu na votação na Câmara? As contrapartidas eram pedidas pelos próprios governadores. O que deu errado?

 

Foram várias questões de dinâmica da Câmara. Questões de articulação. Mas não há dúvida de que é importante para o estado que isso esteja colocado como exigência. Seja através de nova lei, regulamentação da lei (já aprovada), portaria ou por uma medida normativa do presidente da República. Estamos estudando. Pretendemos anunciar isso o máximo em janeiro, mas pode ser antes.

 

Até lá, como vai se resolver a questão do Rio de Janeiro, que não tem dinheiro para pagar salários?

 

No momento, não. Temos que cumprir a nossa meta fiscal.

 

Falando em meta, a partilha da multa repatriação com estados e municípios ainda em 2016 não atrapalha o cumprimento da meta do ano (de um déficit de R$ 170,5 bilhões)?

 

Não. O recurso da repatriação será usado de diversas maneiras. Temos hoje um saldo próximo de R$ 20 bilhões. Você vai usar uma parte disso para pagar estados e municípios. O restante vai quitar restos a pagar. A partilha com municípios afeta o que nós gostaríamos de reduzir de restos a pagar.

 

Além de fazer a reforma da Previdência, o que mais o governo fará para conter gastos?

 

No devido tempo, vamos anunciar metas específicas de redução de despesas.

 

Mas o que pode ser?

 

Pode ser qualquer coisa. Poderão existir desonerações que não serão renovadas, por exemplo.

 

E no campo de aumento de receitas?

 

Acho que tem um aumento grande que virá com a recuperação da economia. Temos expectativa de recuperação forte da receita do ano que vem. Temos ainda um programa de recuperação tributária e a repatriação.

 

Tem aumento de imposto?

 

Por enquanto, não. Não temos decidido nenhum aumento de impostos. Temos apenas decisão de não renovar as desonerações a não ser que tenham grande justificativa econômica.


Com a inflação em queda, o senhor acha que já espaço para mexer na meta, hoje fixada em 4,5% ao ano?

 

Não. Acho que é prematuro hoje. Isso torna-se uma realidade quando estivermos com inflação na meta. Porque senão você gera mais incerteza. Você fica num esforço constante de desinflação.

 

Por que o governo não reduziu a TJLP se as condições da economia melhoraram? A taxa está servindo para ajudar o BC no esforço de reduzir a inflação?

 

Não. Isso é porque julgamos que a TJLP tem um nível suficientemente baixo para cumprir a função do BNDES e que ela não necessariamente tem que manter o seu valor como percentual da Selic. Ela não é vinculada aos ciclos de política monetária.

 

Como o governo pretende mexer no crédito direcionado?

 

O Banco Central falou em racionalizá-lo, fazendo uma avaliação do que faz sentido ter, do que está comprometido com o longo prazo, do que é de fato necessário para cada segmento da economia. Microcrédito, crédito agrícola e por aí vai. É tratar do assunto crédito direcionado como um todo. Não só ver taxas, mas também aspectos de valor. O que é necessário por segmento, o que há de justificativa econômica.

 

O Globo

Comentários

Cuidado Brasil, a palavra CONTRAPARTIDA É UMA FRAUDE. - 24/12/2016
Um pastor evangélico (aqui de Manaus) encontrou um fiel seu em estado desesperador financeiramente para assim comprar uma propriedade no valor de R$ 300.000,00 mas ficou faltando R$ 65.000,00. Em uma conversa no pé de ouvido o pastor disse que arranjaria o dinheiro mas tinha que haver uma CONTRAPARTIDA. O fiel não entendeu a palavra e disse: Pastor o que o senhor quer é uma garantia pelo empréstimo do dinheiro ? O pastor retrucou TEM QUE HAVER UMA CONTRAPARTIDA. O fiel que não entendia o significado da palavra achava que ele teria que dar algo em garantia do empréstimo e novamente perguntou ao Pastor: O que o senhor quer é juros do dinheiro em questão ? O pastor novamente respondeu: TEM QUE HAVER UMA CONTRAPARTIDA ! Então o fiel que tem um terreno de esquina no valor de R$ 300.000,00 )o mesmo valor do terreno em questão) disse que daria como garantia do empréstimo os documentos do citado terreno. O pastor novamente repetiu a mesma frase: TEM QUE HAVER UMA CONTRAPARTIDA. Passado alguns meses uma outra fiel viu este senhor do terreno e disse: PARABÉNS SENHOR ...... POR HAVER DOADO SEU TERRENO PARA A IGREJA ! O fiel ficou alucinado e até o dia de hoje tem buscado o pastor para devolver o dinheiro emprestado mas o pastor não o atende. Portanto seguindo esta retórica muito cuidado com a palavra CONTRAPARTIDA.
VIXI. - 27/12/2016
Lendo este blog deparei com esta história e ela é igual a milhares e milhares por este Brasil à fora. Esta Igreja Evangélica, se não estou errado, fica no bairro de São Francisco.

Deixe seu comentário

Nome:

Mensagem:

publicidade

Copyright © 2013 - 2017. Portal do Zacarias - Todos os direitos reservados.