Notícias

Compartilhar Imprimir

Internacional

08/08/2018

Senadores da Argentina debatem lei do aborto em meio a manifestações a favor e contra

Compartilhar:

Foto: Reprodução

A medida garante a possibilidade de abortar até a 14ª semana de gestação dentro do sistema público de saúde de maneira gratuita

O Senado da Argentina começou a debater nesta quarta-feira, 08, um projeto de lei para legalizar o aborto, que já foi aprovado em parte pelos deputados, em meio a manifestações a favor e contra nos arredores do Congresso.


A medida garante a possibilidade de abortar até a 14ª semana de gestação dentro do sistema público de saúde de maneira gratuita, algo que atualmente só é permitido em casos de estupro e de risco de vida para a gestante. Os deputados a aprovaram em junho depois de quase um dia de discussão.


Nas últimas horas, senadores como José Alperovich, – da província de Tucumán, no norte – ou Silvina García Larraburu – de Río Negro, na Patagônia – se manifestaram contra o projeto, pelo que se avalia que o resultado da votação na Casa de 72 membros será negativo.


“Se é verdade que não falei antes (...) é um tema que divide muito a sociedade. Depois de ter falado com muitos tucumanos e percorrido a província, vou votar contra o projeto”, disse Alperovich em sua conta de Twitter.


Silvina disse no domingo que, apesar de declarações prévias a favor, votará contra a proposta.


O debate do projeto envolve tanto a oposição como os governistas e causou uma divisão profunda na sociedade – organizações de direitos humanos e grupos feministas defendem a medida, enquanto grupos católicos e religiosos a rejeitam.


Os defensores da proposta, que se identificam com lenços verdes, argumentam que os abortos clandestinos são a principal causa de mortalidade materna na Argentina e que as mulheres com poucos recursos são as mais sujeitas a realizar estes procedimentos em condições insalubres.


“O aborto legal, seguro e gratuito é a única forma de acabar com a morte de mais mulheres com gestações indesejadas”, disse nesta quarta-feira no recinto o senador opositor Pedro Guastavino, da província de Entre Ríos.


Os defensores da proposta argumentam que os abortos clandestinos são a principal

causa de mortalidade materna no País (Foto: Reuters)

 

Veja também

Coreia do Norte continua desenvolvendo programa nuclear, diz ONU


Se o projeto de lei for aprovado, a Argentina será o terceiro país da América Latina que permite às mulheres decidir a interrupção da gravidez e cujo sistema público de saúde a contempla. Só Cuba e Uruguai possuem uma legislação semelhante.

 

Argentina será o terceiro país da América Latina que permite às mulheres

decidir a interrupção da gravidez, se projeto for

aprovado (Foto: Reprodução)

 

Curtiu? Siga o PORTAL DO ZACARIAS no Facebook e no Twitter.

 

Reuters

Deixe seu comentário

Nome:

Mensagem:
código captcha

Antes de enviar digite os caracteres

publicidade

Copyright © 2013 - 2018. Portal do Zacarias - Todos os direitos reservados.