Notícias

Compartilhar Imprimir

Esportes

26/03/2019

Venezuela joga amistoso com camisa 'fake' comprada em loja e revolta volante

Compartilhar:

Foto: Reprodução

Rafael Dudamel colocar o cargo à disposição e ainda passou pelo constrangimento de ter que jogar a partida com uniformes comprados em cima da hora numa loja de material esportivo

Depois de vencer de maneira surpreendente a Argentina de Messi por 3 a 1, em Madrid, a Venezuela passou uma decepção tripla no jogo seguinte. A seleção vinotinto perdeu da Catalunha por 2 a 1, viu seu técnico Rafael Dudamel colocar o cargo à disposição e ainda passou pelo constrangimento de ter que jogar a partida com uniformes comprados em cima da hora numa loja de material esportivo.

 

A marca responsável por vestir a seleção da Venezuela, a Givova, não levou uniformes para a partida contra a Catalunha. Para que eles pudessem jogar, representantes da marca correram para uma loja da rede Decathlon e compraram uniformes da marca Quechua, da própria loja, cortaram as etiquetas e colaram o escudo da federação sobre a logomarca.

 

A ação foi denunciada por Tomás Rincón, capitão da seleção da Venezuela, que pediu "mais respeito com a camiseta nacional e com os jogadores da equipe".

 

Veja também
 

Givova le exigimos máximo respeto a nuestra camiseta nacional y a cada integrante del equipo.

 

No tener camisas para jugar hoy y estampar unas que compraron es lamentable, lo de ustedes es vergonzoso. 

 

Foto: Reprodução

 

O jogador também reclamou que a Givova não levou uniformes de manga comprida para os treinos, realizados no frio do início da primavera na Europa.

 

A confusão dos uniformes tomou um pouco da discussão que estava centrada no técnico Rafael Dudamel, que colocou o cargo à disposição depois da vitória sobre a Argentina dizendo que não gostaria de "misturar política e futebol". Antes da partida, a seleção recebeu a visita de enviados de Juan Guaidó, líder oposicionista ao regime Maduro que se autodeclarou presidente interino neste ano.

 

"Recebemos a visita do embaixador na Espanha de Guaidó e isso foi politizado de forma lamentável. Atendemos aos embaixadores do governo de Maduro e hoje recebemos Ecarri de maneira respeitosa. Mas infelizmente politizaram a visita, que foi antiética e desrespeitosa", disse o técnico.

 

Curtiu? Siga o PORTAL DO ZACARIAS no Facebook e no Twitter.

Em 2017, o treinador havia criticado publicamente o presidente Nicolás Maduro durante a forte repressão que protestos populares sofriam nas ruas do país. 

 

One Football

Deixe seu comentário

Nome:

Mensagem:

publicidade

Copyright © 2013 - 2019. Portal do Zacarias - Todos os direitos reservados.