NOTÍCIAS
Coisas do outro mundo
13/11/2020

Conheça o planeta onde chove pedra, os ventos são supersônicos e os oceanos são feitos de lava

Compartilhar:
Foto: Reprodução

Há muitos anos, a Terra não era muito diferente de K2-141b

 Em K2-141b, a chuva é feita de rochas, há um oceano de lava com mais de 100 km de profundidade e os ventos sopram a uma velocidade quatro vezes maior que o som.

 

"Este é um planeta muito emocionante, com clima extremo, chuva mineral e neve e vento supersônico", diz o astrônomo Tue Giang Nguyen à BBC.

 

"Não é um lugar feliz para se viver, mas é um planeta legal para estudar coisas estranhas", acrescenta seu colega, o professor Nicolas Cowan.

 

Veja também

 

Péssima notícia: a Lua é 200x mais radioativa que a Terra, descobre estudo

 

Podem existir milhares de planetas de diamante na nossa galáxia, diz estudo

 

Junto com uma equipe de astrônomos da Índia e do Canadá, eles publicaram um novo artigo com as últimas descobertas em K2-141b, um planeta rochoso como a Terra ... ou talvez não exatamente como ela.

 

O planeta está 'escondido' na constelação de Aquário, a cerca de 202 anos-luz de distância — Foto: Getty Images via BBC

 

Bem-vindo ao 'planeta lava'

 

Planeta Da Lava Na Representação Imaginária Ilustração Stock - Ilustração  de imaginária, lava: 104905651

 

K2-141b, também conhecido pelo nome mais poético de EPIC 246393474.01, fica a 202 anos-luz da Terra, na constelação de Aquário.

 

Este é um mundo incandescente e inóspito, onde o tempo realmente voa: K2-141b orbita tão perto de sua estrela que um ano termina em menos de sete horas.

 

Sua estrela é o que os astrônomos chamam de "anã laranja" — consideravelmente mais fria que o nosso Sol — e é tão opaca que não pode ser vista da Terra.

 

K2-141b "é um planeta de lava", dizem os cientistas que analisam e interpretam os dados no Instituto Indiano de Educação e Pesquisa Científica (Calcutá, Índia), Universidade de York (Toronto, Canadá) e Universidade McGill (Montreal, Canadá).

 

É também uma "super-Terra", porque embora não seja muito maior que o nosso planeta, sua massa é cerca de cinco vezes maior (ou seja, a atração gravitacional do K2-141b é cinco vezes maior do que a da Terra).

 

Embora o K2-141b tenha sido descoberto em 2018 pela "missão K2" do Telescópio Espacial Kepler, os pesquisadores só agora estão começando a descobrir suas maravilhas.

 

Imagine uma paisagem de magma e rochas geladas e você terá uma ideia aproximada de como é a superfície de K2-141b — Foto: Getty Images via BBC

 

"Isso significa que dois terços do planeta estão sempre expostos à luz em um dia eterno, e as temperaturas ali podem chegar a até 3.000ºC", diz Cowan.


Já o lado oposto está sempre no escuro e as temperaturas despencam para -200ºC.

 

Essas mudanças drásticas de temperatura resultam em condições climáticas extremas ... e o que os astrônomos chamam de "chuva rochosa".

 

Imagine o ciclo da água na Terra por um minuto: a água evapora do solo, forma nuvens na atmosfera, chove para reabastecer lagos e oceanos e o processo recomeça.

 

"Bem, em K2-141b é a mesma coisa, mas com pedras", diz Cowan.

 

'Como chuva, mas com pedras e ventos supersônicos' — Foto: INPHO via BBC

 

'Estranho e emocionante'


"O que é preciso ter em mente é que, neste planeta, tudo é feito de rocha", afirma.

 

O calor no lado diurno do planeta é "tão ridiculamente intenso que a rocha se vaporiza e os minerais sobem para sua fina atmosfera. É estranho, mas emocionante".

 

"Mas literalmente não há atmosfera no lado noturno do planeta, que é superfrio e congelado em estado sólido", acrescenta.

 

Essa mudança drástica de pressão e temperatura entre o lado claro [quente] e o lado escuro [frio] do planeta gera ventos supersônicos — estamos falando de velocidades de até 5 mil km/h.

 

Estes "transportam o vapor de rocha para o lado noturno do planeta, onde se condensa em gotas de rocha", diz Cowan.

 

"Basicamente, você acaba com chuva de rocha, e às vezes até neve de rocha, caindo no oceano de magma abaixo", acrescenta.
"Este estudo é o primeiro a fazer previsões sobre as condições meteorológicas no K2-141b", diz Nguyen, que está animado com o que pode ser detectado "a centenas de anos-luz de distância com telescópios de próxima geração".

 


Devemos nos importar?

 

Muito pode ser aprendido com planetas distantes — Foto: Getty Images via BBC

Fotos: Reproduções

 

Tudo isso é muito interessante, mas por que isso importa para nós, terráqueos?

 

"Estudar o K2-141b pode nos ajudar a entender mais sobre o passado da Terra, já que ela já foi um mundo envolto em magma", diz Nguyen, o autor principal do estudo.


"Os planetas de lava nos dão um raro olhar neste estágio da evolução planetária", afirma Cowan. "Todos os planetas rochosos, incluindo a Terra, começaram como mundos derretidos, mas depois esfriaram e se solidificaram rapidamente."

 

Portanto, descobrindo mais sobre o K2-141b, poderíamos desenvolver um melhor entendimento de como a Terra surgiu. Mas há um incentivo adicional para continuar procurando...

 

"Pode servir de base para estudos futuros de incontáveis planetas de lava ainda a serem descobertos. É um passo para uma maior exploração de planetas semelhantes à Terra ou de mundos habitáveis além do nosso Sistema Solar", diz Nguyen.


"Esses planetas de lava são muito divertidos e nos permitem estudar todo tipo de coisas estranhas" acrescenta Cowan.

 

Curtiu? Siga o PORTAL DO ZACARIAS no FacebookTwitter e no Instagram.

Entre no nosso Grupo de WhatApp

 

 

Se você não tem acesso a um telescópio multimilionário, mas gostaria de mergulhar em um pouco de astronomia, você ainda pode verificar o K2-141b e seus arredores no catálogo da NASA, que oferece um close-up fantástico com modelos cientificamente precisos.

 

 G1

 

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Nome:

Mensagem:

LEIA MAIS

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

Copyright © 2013 - 2020. Portal do Zacarias - Todos os direitos reservados.