Notícias

Educação

Estudante de Paraisópolis tem experimento testado em parceria com a Nasa

Compartilhar:

Foto: Natan de Oliveira, no Museu Aeroespacial da Instituição Smithsonian.

Até o ano passado, Natan Cardoso de Oliveira raramente saía de sua comunidade, Paraisópolis, a maior favela de São Paulo. No entanto, o envolvimento no projeto Missão XII --uma parceria do Colégio Dante Alighieri com a Missão Garatéa, um dos maiores consórcios espaciais brasileiros, coordenado pelo engenheiro espacial Lucas Fonseca-- transformou a vida do adolescente.

 

A parceria organizou a participação de um grupo de estudantes paulistas em um programa do governo americano que visa promover a pesquisa espacial entre jovens, o SSEP (Student Spaceflight Experiments Program), do Centro Nacional para Educação Científica para Terra e Espaço.

 

Em setembro de 2017, o colégio e o consórcio espacial estenderam o convite a alunos da rede escolar pública, contando, inicialmente, com a participação de 35 alunos da Escola Municipal Perimetral e da ONG Projeto Âncora, de Cotia. Natan era um dos alunos da escola Perimetral.

 

Veja também

 

Garantia à educação de crianças e adolescentes ainda não é integral

Ex-morador de rua se torna cabeleireiro e passa a cortar cabelo de pessoas carentes: 'Forma de retribuir a ajuda que tive'

 

A maioria dos seus colegas logo desistiu de participar do projeto, pois isso envolvia um trabalho extra semanal, com os alunos do Dante, o que exigia tempo, locomoção e dedicação consideráveis. O menino de 16 anos --filho de um funcionário de lanchonete e uma empregada doméstica-- persistiu e, aos poucos, descobriu sua paixão pela ciência.

 

"Comecei a me interessar por ciência logo depois que me chamaram para o projeto. Eu sempre fui um aluno que estudava ciências, como outras matérias, só que, com esse projeto, comecei a olhar a ciência com outros olhos", diz Natan

 

O experimento do grupo, chamado de Cimento Espacial, tinha como objetivo investigar como o cimento reagiria no espaço e qual seria o efeito da radiação no material, em um ambiente de microgravidade. O estudo foi selecionado e, em junho de 2018, Natan foi a Washington para ver seu experimento ser enviado ao espaço a bordo de um foguete da Space X, empresa de Elon Musk, em uma parceria com a Nasa, agência espacial americana.

 

"Comparado à escola pública, o Anglo, claro, é muito bom", diz Natan.

 

"Foi um choque muito grande devido ao peso e à maior quantidade de matérias, e também pelo fato de eu estar começando a 1ª série do ensino médio. É claro que todo mundo tem saudades dos amigos, não gosta de abandonar, mas é a vida", diz o estudante.

 

Em julho deste ano, Natan voltou a Washington para apresentar --em inglês e para a plateia presente no Museu Aeroespacial da Instituição Smithsonian-- os resultados do experimento de seu grupo. Os jovens descobriram que o processo de cristalização era maior na Terra do que no espaço. Não há consenso na comunidade científica sobre as consequências disso, portanto esses resultados podem abrir caminho para mais pesquisas sobre esse fenômeno. Os efeitos da radiação ainda estão sendo analisados.

 

Jovem quer seguir carreira na área de engenharia espacial

 

Hoje, Natan sonha em seguir uma carreira na área de Engenharia Espacial e pesquisa. E também diz que não hesitaria em se mudar para Marte, se isso pudesse contribuir com avanços científicos. O menino que até recentemente tinha seus sonhos limitados pela realidade da favela agora tem apenas o céu como limite.

 

 

 

Curtiu? Siga o PORTAL DO ZACARIAS no Facebook e no Twitter.

 

'Vejo um futuro brilhante para mim. Quero ajudar muito meu país. Quero fazer descobertas, não só para meu país, mas para o mundo inteiro para quem sabe, no futuro, a gente se mudar para Marte' Natan Cardoso de Oliveira, estudante.

 

Terra

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Nome:

Email:

Mensagem:

Leia também

Copyright © 2013 - 2019. Portal do Zacarias - Todos os direitos reservados.