Notícias

Curiosidade

Sucessos e fracassos: confira como tem sido os dez anos da linha Samsung Galaxy

Compartilhar:

Foto: Display do Galaxy S10 está entre os melhores do mundo

 Completando uma década neste ano, o Galaxy da Samsung está entre os nomes mais conhecidos do mundo dos smartphones. A linha engloba desde aparelhos com alta tecnologia, como as linhas Note e S, até celulares em formatos mais baratos e acessíveis.

 

Nas linhas a seguir, o TechTudo traz uma seleção dos momentos mais marcantes que levaram à dominância sul-coreana do setor: são sucessos como o Galaxy S10 e fracassos como o Galaxy Note 7, popularmente conhecido como “o smartphone explosivo”. Até de plágio do iPhone a fabricante foi acusada.3

 

Lançado em 29 de junho de 2009, o Samsung Galaxy foi o primeiro smartphone da marca coreana a usar o nome. Quase rústico para os padrões atuais, o Galaxy tinha uma tela de acanhados 3,2 polegadas, mas já apresentava a tecnologia AMOLED que acabaria virando um aspecto fundamental dos Galaxy mais poderosos ao longo desses d anos.

 

Galaxy

 

Primeiro Galaxy chegou em 2009 com tela touch, mas tinha jeitão de celular convencional â?? Foto: Divulgação/Samsung

 

O primeiro Galaxy era equipado com um processador de núcleo único e 528 MHz de velocidade (ou 0,5 GHz, para uma medida mais atual). De resto, eram 128 MB de memória RAM, 8 GB de espaço para dados e microSD de até 32 GB.

 

Veja também

 

Harley-Davidson planeja lançar moto elétrica no Brasil em 2020

Duas toneladas de tambaqui manejado são vendidas neste sábado (13) em Manaus


Lançado com Android 1.5, o Galaxy vinha com uma câmera de 5 megapixels, tinha painel frontal cheio de botões e, num período que antecede a mania das selfies, vinha sem câmera frontal.

 

Galaxy S

 

Samsung Galaxy S teve ciclo de polêmicas com a Apple â?? Foto: Divulgação/Samung
 

O sucessor direto do Galaxy seria o Galaxy S, de junho de 2010. Com design visivelmente mais evoluído, o celular deu início à série S, que tem nos S10 atuais os modelos mais recentes. Além de ter sido o primeiro da linha premium da marca, o S também marcou pelas polêmicas: a Apple moveu uma série de ações na Justiça contra a Samsung por entender que o design e funcionalidades do novo aparelho eram uma cópia dos iPhones.

 

Batalhas jurídicas à parte, o Galaxy S já era um aparelho mais parecido com o que estamos acostumados hoje: boa parte dos botões desapareceram ou ficaram mais discretos, a tela AMOLED cresceu para 4 polegadas e o processador quase dobrou de velocidade, chegando a 1 GHz. O primeiro S tinha ainda versões com 8 ou 16 GB de espaço para dados e, com câmera de 5 megapixels, chegou a aparecer em alguns países com sensor frontal para selfies.

 

Galaxy Note

 

Galaxy Note foi considerado "enorme" em 2011 â?? Foto: Allan Melo/TechTudo


Em outubro de 2011, a Samsung revelaria algo que se mostrou, à época, polêmico: um segundo modelo de ponta no mesmo ano, mas com uma tela bem maior e foco na produtividade, proporcionada sobretudo pelo uso da caneta eletrônica. O celular também seria capaz de rodar mais de um app ao mesmo tempo em tela dividida.

 

Considerado enorme na época por conta da tela HD de 5,3 polegadas, o sucessor do Galaxy Note acabaria fortalecendo a ideia de displays gigantes. O celular tinha opções com processadores dual-core de 1,4 GHz ou 1,5 GHz, 1 GB de RAM e era encontrado com 16 GB ou 32 GB de espaço para arquivos.

 

Em termos de câmeras, o primeiro Note já demonstra avanços diante dos modelos anteriores e contemporâneos, com principal de 8 megapixels e frontal de 2 MP.

 

Galaxy Nexus

 

Galaxy X era curvo e usava Android oficial â?? Foto: Nick Ellis/TechTudo

 

Antes da linha Pixel, o Google se associava a fabricantes para desenvolver smartphones Nexus, vistos como uma leitura oficial do Google a respeito do Android ideal. Relativamente avançados, os Nexus tinham bom nível de recursos, preço atraente e um apelo maior para desenvolvedores.

 

Em novembro de 2011, a colaboração do Google foi com a Samsung, que já à época se colocava como uma das principais marcas do ecossistema Android. O Nexus, chamado de Galaxy X no Brasil, era sucessor do Galaxy Nexus S, mas oferecia um design inusitado: o celular era todo era levemente curvo para encaixar melhor no rosto enquanto você realiza uma chamada.

 
O celular tinha já processador dual-core de 1,2 GHz, 1 GB de RAM e acompanharia as versões do Android 4.0 ao 4.3. Com tela HD de 4,6 polegadas, o aparelho tinha câmeras de 5 megapixels na traseira e sensor de selfies de 1,3 megapixels.

 

Galaxy S5
 

S5 introduziu leitura de digitais e construção à prova d'água â?? Foto: Luciana Maline/TechTudo

 

Ao longo desses dez anos, a Samsung colecionou grandes sucessos, mas também errou o passo algumas vezes e o Galaxy S5 é um desses exemplos. Herdeiro do sucesso dos Galaxy S anteriores, o S5 estrearia o leitor de digitais e a construção à prova d’água, mas seria bastante criticado pelo ar de mais do mesmo, a interface gráfica TouchWiz, design menos atraente e a construção em plástico num mercado que já adotava o alumínio como material de preferência em celulares premium. O S5, lançado em abril de 2014, vendeu apenas 12 milhões de unidades frente às mais de 40 milhões do S4.

 

Nas especificações, o aparelho era um modelo de 5,1 polegadas com tela Full HD e tecnologia Super AMOLED. Em termos de processador, já aparecem os quad-core de 2,1 GHz da Samsung. A memória RAM somava 2 GB e o espaço para dados ficava em 16 ou 32 GB.

 

Já com câmeras melhores, o S5 tinha sensor principal de 16 MP e usava uma câmera dianteira de 2 MP.

 

Galaxy S6

 

S6 corrigiu o rumo da linha Galaxy S e inovou com a tela de bordas curvas â?? Foto: Lucas Mendes/TechTudo

 

o Galaxy S5 falhou diante do público, o S6 serviu como um tipo de autocrítica: a Samsung renovou o design, adotou materiais de maior qualidade no aparelho, limpou a interface TouchWiz e inovou com as versões Edge da linha, que apresentavam a tela curva presente nos Galaxy S até hoje.

 

Como nem tudo é perfeito, o S6 seria alvo de uma crítica preponderante, sobretudo entre fãs da marca: a falta de slot para cartão microSD, omissão que viria a ser corrigida pela marca no Galaxy S7 e continuaria presente em todos os lançamentos da série até o momento.

 

Já com processador octa-core, o S6 chegava a 2,1 GHz e vinha com 3 GB de RAM (4 GB na versão Edge Plus). A tela continuaria em 5,1 polegadas com Full HD e a câmera era a mesma do S5: 16 megapixels atrás, acompanhada de sensor dianteiro de 5 MP.

 

Galaxys J de Metal


Samsung passou a usar o metal em aparelhos Galaxy J com grande sucesso â?? Foto: Ana Marques/TechTudo


O S6 deu certo e encorajou a Samsung a promover o uso do metal em seus modelos mais acessíveis. Isso levou a uma onda de lançamentos na linha Galaxy J, que então concentrava os aparelhos de entrada da marca, com construção em alumínio. A Samsung valorizava tanto a ideia que colocou “Metal” no nome dos modelos.

 

A ideia renderia bons resultados e, associada com a opção de seguir a linguagem visual dos modelos mais caros, colocaria a linha em evidência no mercado brasileiro: ao longo dos anos, diversos modelos Galaxy J acabariam entre as listas de mais vendidos no país.

 

Um exemplo é o J5 Metal de 2016, que mesmo em 2017 ainda teria fôlego para despontar entre os celulares mais procurados pelos brasileiros.

 

Galaxy Note 7
 

Crise do Galaxy Note 7 foi tão grave que a Samsung chegou a cogitar abandonar completamente o nome "Note" â?? Foto: Reprodução/The Verge/Shawn Minter

 

Lançado em 2016, o Galaxy Note 7 é o capítulo mais tumultuado da história dos produtos Galaxy. Com um problema crônico de design, o aparelho era propenso a entrar em combustão espontânea ou a explodir em virtude de flexão provocada sobre a bateria de 3.500 mAh. A sucessão de acidentes com o aparelho levaria a Samsung a simplesmente recolher todas as unidades e interromper completamente a produção.

 

A crise toda foi agravada porque, antes dessa decisão, a Samsung chegou a tentar corrigir o problema via software e, posteriormente, por meio da troca do fornecedor de baterias. As tentativas não surtiram efeito e só serviram para agravar a crise, motivando a interrupção e recolhimento dos aparelhos.

 

Galaxy S8

 

Design do S8 foi bem recebido â?? Foto: Luciana Maline/TechTudo

 

O Galaxy S8, a exemplo do S6, seria mais uma grande revisão de design e funcionalidades da Samsung. A tela cresceria, ficaria mais estreita e o aparelho perderia o botão home físico, característica que vinha persistindo nos Galaxy há anos. Uma das críticas, no entanto, foi o posicionamento inadequado do sensor de digitais na traseira, provocado pela pura falta de espaço na frente do aparelho.

 

O S8 viria acompanhado já no lançamento da versão Plus, com tela um pouco maior. Os dois smartphones rodariam com os mesmos processadores Exynos de oito núcleos e velocidades de até 2,3 GHz. Seriam 4 ou 6 GB de RAM, além de 64 ou 128 GB no espaço para dados.


Embora tenha aparecido já no contexto das múltiplas câmeras, os S8 chegaram ao mercado sem este recurso.

 

Galaxy S10

 

S10 conta com nova tecnologia de tela e apresenta design atualizado â?? Foto: Thássius Veloso / TechTudo
 

O Galaxy S10 é o mais recente produto da linha premium. Surgiu com um design atualizado, que chama a atenção pela ideia da câmera frontal dentro da tela e pelo leitor de digitais escondido sob a tela, que pela primeira vez deixa de ser Super AMOLED e passa a usar a nova tecnologia Dynamic AMOLED.

 

Bem recebido pela crítica, com direito a título de melhor display do mundo e com câmeras elogiadas, o S10 tem versões S10 Plus, com tela maior, e S10E, mais simples em design e recursos.


Galaxy A80

 

Galaxy A80 tem sistema diferentão de câmera â?? Foto: Thássius Veloso/TechTudo
 

Mais recente da nossa lista, o A80 se destaca por apostar em uma série de elementos que o distanciam dos outros Galaxy: para começar, o celular não tem câmera frontal em si, usando um sistema deslizante de câmeras que podem ser rotacionadas para cumprir a função de sensores principais ou de selfies.

 

O A80 também aparece com tela de formato 20:9, ainda mais estreita que o 19:9 do S10. Também é o primeiro Galaxy sem saída de fones de ouvido. De ficha técnica intermediária, o A80 pode ser um teste da Samsung em termos de novos recursos e opções de design para futuros lançamentos da marca.

 

Galaxy Fold

 

Estrutura dobrável do Galaxy Fold â?? Foto: Divulgação / Samsung

Fotos: Divulgação / Techtudo


Com lançamento tumultuado, o Fold será o primeiro Galaxy com tela flexível no mercado. Em abril, a Samsung se preparava para lançar comercialmente o smartphone quando foi pega no contrapé com uma série de problemas de durabilidade e qualidade de uso da tela dobrável encontrados pela imprensa, que teve acesso antecipado ao telefone.

 

Curtiu? Siga o PORTAL DO ZACARIAS no Facebook e no Twitter.

 

As ocorrências motivaram a suspensão do lançamento do Galaxy Fold e a Samsung já reconhece que acabou tendo pressa e se preparando para colocar o Fold no mercado antes do tempo.

 

Techtudo

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Nome:

Email:

Mensagem:

Leia também

Copyright © 2013 - 2019. Portal do Zacarias - Todos os direitos reservados.