13 de Julho de 2024 - Ano 10
NOTÍCIAS
Geral
14/06/2024

'Ataque de fúria', diz preso por matar homem com 'voadora' em Santos

Foto: Reprodução

Segundo a polícia, Tiago Gomes de Souza disse sofrer de transtornos psicológicos; ele foi preso após dar uma voadora que matou Cesar Fine

Tiago Gomes de Souza, de 39 anos, preso acusado de matar um homem de 77 anos com uma “voadora” no peito em Santos, no litoral de São Paulo, afirmou à polícia que sofreu um ‘ataque de fúria’ ao agredir a vítima.

 

De acordo com ele, isso aconteceu após a atitude de Cesar Fine Torresi em adverti-lo por ter avançado com o carro que dirigia contra ele e o neto.

 

Tiago participou da reconstituição do crime feita pela Polícia Civil nessa quinta-feira (13/6). No local, Tiago Gomes de Souza, de 39 anos, começou a chorar enquanto explicava à equipe de investigação como ocorreu a agressão.

 

Veja também

 

Prefeitura de Manaus abre inscrições para 40 vagas em cursos de qualificação profissional

 

Bolsa Família chega a 2,46 milhões de famílias no Amazonas no mês de junho

 

Segundo a delegada Liliane Lopes Doretto, do 3° Distrito Policial da cidade, Tiago disse à polícia sofrer de transtornos psicológicos. O homem alegou também que sofreu um ‘ataque de fúria’ na data dos fatos, apesar de fazer tratamento com medicamentos.

 

“Não conseguiu se controlar e por isso assim agiu. Na hora se arrependeu e até fez manobras de ressuscitação na vítima”, disse a delegada.

 

Tiago relatou à polícia que não teve a percepção se havia machucado ou não o idoso quando ‘avançou’ com o veículo. Ainda de acordo com o suspeito, a vítima e o neto continuaram a caminhar após a ‘discussão’.

 

“Ele [Tiago] nem estacionou o carro. Simplesmente desceu, deixou a chave ali e foi atrás do senhor. Ele diz que houve uma discussão. O neto diz que não”, explicou Liliane.

 

PRESO CHORA EM RECONSTITUIÇÃO

 

Tiago Gomes de Souza, de 39 anos, começou a chorar enquanto explicava à equipe de investigação como ocorreu a agressão.

 

Dezenas de pessoas ficaram reunidas ao redor de onde ocorria a reconstituição, ao lado do Shopping Praiamar, um dos mais movimentados da cidade. A multidão chamava Tiago de “assassino” e “mentiroso”.

 

Imagens feitas por testemunhas da reconstituição mostram o suspeito diante do corpo de um homem caído no chão, simulando Cesar Fine Torresi. É possível ver Tiago levando as mãos à cabeça, em um gesto de desespero, e erguendo os braços na direção da multidão, como se estivesse pedindo desculpas.

 

Cesar Fine Torresi levou a “voadora” na frente do neto, bateu a cabeça no chão e sofreu traumatismo craniano em Santos, no litoral paulista, no ultimo sábado (8/6). Ele morreu após ser encaminhado para atendimento médico.

 

Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal

 

Tiago foi detido em flagrante e teve a prisão preventiva decretada pelo Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP). Na delegacia, o suspeito optou por permanecer em silêncio.

 

Segundo o boletim de ocorrência, o acusado vinha em alta velocidade e teve que frear bruscamente, na Rua Pirajá da Silva, na lateral de um shopping, porque Cesar e o neto de 11 anos estavam atravessando a via.

 

Já a criança relatou ao pai que ela e o avô tinham começado a atravessar a rua no momento em que o trânsito estava parado e com semáforo fechado. Após o suspeito avançar com o carro sobre as vítimas, Cesar teria se apoiado no capô do carro.

 

De acordo com testemunhas, Tiago ficou irritado, desceu do veículo e deu uma “voadora” no peito da vítima, que já caiu desacordada. Cesar foi socorrido na UPA Zona Leste, sofreu três paradas cardíacas e teve a morte constatada.

 

INVESTIGAÇÃO

 

Apesar de não relatar qual foi a dinâmica dos fatos na sua versão, a defesa do suspeito contesta as informações do boletim de ocorrência. O advogado pediu a inclusão de imagens de câmeras de segurança no inquérito.

 

Na delegacia, a ocorrência foi registrada como “lesão corporal seguida de morte”, cuja pena prevista é de 4 a 12 anos de prisão.

 

Curtiu? Siga o PORTAL DO ZACARIAS no FacebookTwitter e no Instagram.

Entre no nosso Grupo de WhatAppCanal e Telegram

 

Já o Ministério Público de São Paulo (MPSP) discordou da avaliação e pediu que o caso fosse considerado como “homicídio doloso qualificado”, crime punido com até 30 anos de cadeia.

 

Fonte: Metrópoles

 

VEJA VÍDEO DA RECONSTITUIÇÃO:

 

LEIA MAIS
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Nome:

Mensagem:

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

Acompanhe o Portal do Zacarias nas redes sociais

Copyright © 2013 - 2024. Portal do Zacarias - Todos os direitos reservados.