Notícias

Compartilhar Imprimir

Política

04/10/2019

'Quem acha que ter arma em casa é um risco, não precisa comprar', diz Bolsonaro

Compartilhar:

Foto: Alan Santos / PR - 6.9.19

Em live, presidente exaltou o decreto de armas e as flexibilizações das regras para posse e porte

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira que o decreto editado nessa semana para regulamentar o acesso a armas de fogo acabou com um monopólio, ao flexibilizar as regras de importações de armas.

 

Em transmissão ao vivo em suas redes sociais, Bolsonaro ressaltou o fim da "restrição de importação por similaridade", ou seja, a proibição de comprar no exterior um armamento semelhante a um que já esteja no Brasil.

 

"Nós abrimos o direito de importar também, no decreto, para militares das Forças Armadas, policiais civis e militares, empresas e CACs. Acabou também a restrição de importação para a similaridade", disse, acrescentando depois: "é quebra do monopólio. Também nós desburocratizamos o processo, e quem pode adquirir vai poder importar. Então, você, cidadão comum, você pode comprar uma arma no Brasil, vai poder comprar fora do Brasil".

 

 Veja também

 

STF adia definição de tese sobre alegações finais que afeta Lava Jato

 

Guedes finaliza novas medidas econômicas para enviar ao Congresso após a Previdência

 

Bolsonaro explicou que, pelas regras que passam a valer, atiradores podem ter ao menos 30 armas, caçadores podem ter 15 e colecionadores, cinco, mas ressaltou que o Exército pode autorizar um número maior: "está no limite que nós podemos conceder. Já melhora bastante em relação à legislação anterior. E, de acordo com o entendimento do Exército, por solicitação, pode ser aumentado o número de armas".

 

Ele disse ainda que foram revogados dispositivos que "estavam dificultando a compra de armas longas de uso permitido".
O presidente lembrou que teve que revogar outros decretos que tratavam da posse e de porte de armas, para impedir que fossem derrubados pelo Congresso ou pela Justiça, mas afirmou que nenhum deles extrapolou o limite previsto em lei.

 

"Essa semana nós assinamos um novo decreto sobre armas. No passado fizemos a mesma coisa. Apesar de termos feito nos limites da lei, alguns parlamentares que não estavam entendendo dessa forma, o caso foi judicializado. Para não perdermos tudo, apresentamos outro decreto. E um último agora. Porque o decreto, pessoal, não pode ir além da lei", afirmou.

 

Curtiu? Siga o PORTAL DO ZACARIAS no FacebookTwitter e no Instagram.

Entre no nosso Grupo de WhatsApp.

 

Para Bolsonaro, como criminosos conseguem comprar armas, o "cidadão de bem" também deve poder. Ele disse que quem acha o armamento perigoso não precisa comprar: "pessoal, bandido compra arma, compra fuzil. Por que você, cidadão de bem, não pode ter uma arma em casa? Se você acha que ter uma arma em casa é risco, não compra a arma é muito simples. O vizinho quer comprar, compra". 

 

iG

Comentários

Sousa - 04/10/2019
Bolsonaro tá certo. Gostaria q ele apresentasse uma PEC reduzindo em 80% a vantagens dado aos políticos e judiciário como: auxílio moradia, vestimenta, verba de gabinete q é motivo de corrupção, verba parlamentar outra corrupção, limitar o tempo do ministro do STF para 4 anos e acabar com a indicação presidencial e sim por voto e etc, etc.

Deixe seu comentário

Nome:

Mensagem:

publicidade

Copyright © 2013 - 2019. Portal do Zacarias - Todos os direitos reservados.