13 de Julho de 2024 - Ano 10
NOTÍCIAS
Meio Ambiente
07/07/2024

Associação de procuradores ambientais propõe ajustes nas autorizações de desmatamento

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Nota técnica da Associação Brasileira de Membros do Ministério Público de Meio Ambiente (ABRAMPA) alerta para descontrole de autorizações de supressão, especialmente no Cerrado

Autorizações para desmatamento estão sendo concedidas de forma descontrolada e, muitas vezes, por órgãos sem competência legal. É o diagnóstico feito por uma nota técnica da Associação Brasileira de Membros do Ministério Público de Meio Ambiente (ABRAMPA), entidade que reúne membros dos ministérios públicos que atuam na defesa do meio ambiente e da ordem urbanística.

 

A situação é especialmente grave no Cerrado, alerta a associação, mas as propostas de ajustes também servem para outros biomas – exceto a Mata Atlântica, regida por lei própria. O documento, divulgado nesta segunda-feira (1), traça um panorama do aumento do desmatamento causado por Autorizações de Supressão de Vegetação (ASVs) concedidas irregularmente – com problemas como o descumprimento de requisitos legais e a violação dos limites das autorizações, e dá orientações para a adequação desses processos.

 

A nota cita dados do MapBiomas, indicando que 0,96% dos imóveis cadastrados no Cadastro Ambiental Rural (CAR) foram responsáveis por 86% dos alertas de desmatamento nacionais em 2023. No mesmo ano, “quase 3/4 dos alertas e da área desmatada no Cerrado ocorreram em imóveis rurais privados”, diz a associação.

 

Veja também

 

Incêndios atingem terra indígena e ameaçam Parque Estadual do Pantanal

 

Até 25% da vegetação nativa no Brasil está comprometida

A maior parte da supressão do Cerrado se concentra no MATOPIBA – região formada pelo estado do Tocantins e partes de Maranhão, Piauí e Bahia. Em 2023, 47% de todo o desmatamento no país e 74% do desmatamento no bioma se concentraram nessa área. Grande parte dele, segundo a nota técnica, em áreas privadas. “Refletindo a realidade nacional, esse desmatamento tem ocorrido de forma predominante nas propriedades privadas, impulsionado, principalmente, pela expansão da fronteira agropecuária, com a conversão de áreas de vegetação nativa em espaços voltados à produção de commodities”, diz um trecho do documento.

 

Em apenas um mês, desmatamento na Amazônia aumentou 70% - ((o))eco

 

Segundo o relatório, dados do Plano de Ação para Prevenção e Controle do Desmatamento no Bioma Cerrado (PPCerrado) estimam que “pelo menos metade do desmatamento do Cerrado é marcado por algum grau de ilegalidade, seja por não ser autorizado, seja por não respeitar os requisitos e os limites das autorizações concedidas”. A ABRAMPA alerta que esse cenário aumenta o risco de perda de remanescentes de vegetação nativa, inclusive em Áreas de Preservação Permanente (APPs) e de Reserva Legal, contribuindo para o agravamento da crise climática.

 

A nota afirma ainda que os estados têm descentralizado aos municípios a concessão das ASVs sem atender a “requisitos legais mínimos”, como a necessidade de um órgão ambiental capacitado, um conselho de meio ambiente e a limitação da transferência de competência apenas a atividades com impactos locais. “Além disso, também têm sido observados casos nos quais os próprios municípios têm assumido, autonomamente, as atividades autorizativas, sem a anuência do respectivo estado, em claro movimento de usurpação de competência e de maneira patentemente ilegal”, diz o documento. Apenas na Bahia, mais de 300 municípios concedem ASVs, muitos sem cumprir os requisitos.

 

Desmatamento na Amazônia está fora do controle, diz Greenpeace

Fotos: Reprodução

 

“Há muitas falhas nos processos das Autorizações de Supressão de Vegetação que precisam ser corrigidas enquanto é tempo. O que observamos é um cenário de absoluto descontrole na concessão dessas autorizações, especialmente no Cerrado. Incluindo descumprimentos reiterados da própria Lei Nacional de Vegetação Nativa, concessões de autorizações por municípios não devidamente habilitados ao licenciamento ambiental, e falta de transparência, o que têm causado afronta aos direitos constitucionais ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, à estabilidade climática e ao acesso à informação”, destaca Alexandre Gaio, presidente da ABRAMPA e promotor de justiça do Ministério Público do Paraná (MPPR).

 

Curtiu? Siga o PORTAL DO ZACARIAS no FacebookTwitter e no Instagram.

Entre no nosso Grupo de WhatAppCanal e Telegram 

 

A nota técnica aponta que esse descontrole no desmatamento do Cerrado tem trazido sérias consequências ambientais, que impactam fortemente as condições de vida das populações humanas e animais. “Estudos indicam que o bioma já enfrenta uma série de impactos negativos, com prejuízos à provisão de recursos hídricos, biodiversidade e do clima, aumentando sua vulnerabilidade. A contínua perda de vegetação poderá prejudicar ainda mais o ciclo das chuvas, elevando os riscos de desertificação do solo e de aumento das temperaturas na região, além de resultar em perda significativa de biodiversidade”. 

 

Fonte: O Eco

LEIA MAIS
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Nome:

Mensagem:

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

Acompanhe o Portal do Zacarias nas redes sociais

Copyright © 2013 - 2024. Portal do Zacarias - Todos os direitos reservados.