NOTÍCIAS
Política
17/08/2021

Bolsonaro cometeu crime de falsificação, diz Randolfe em CPI

Compartilhar:
Foto: Reprodução

Randolfe Rodrigues

Em sessão da CPI da Covid para ouvir o depoimento do auditor do Tribunal de Contas da União (TCU) Alexandre Figueiredo Costa Silva Marques, o vice-presidente do colegiado, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), afirmou que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) cometeu crime de falsificação.

 

O servidor afastado do TCU é autor de “estudo paralelo” que apontava suposto superdimensionamento do número de vítimas do novo coronavírus no país. O documento foi divulgado por Bolsonaro e, segundo o depoente, houve alteração no levantamento.

 

Com isso, a comissão ventilou a possibilidade de enquadrar o presidente Jair Bolsonaro por ter, supostamente, adulterado o relatório elaborado pelo auditor.

 

Veja também

 

Investigado no STF, Bolsonaro insiste em apresentar pedido de impeachment de ministros da Corte

 

PGR abre apuração sobre ataques de Bolsonaro ao sistema eleitoral brasileiro

“O seu depoimento aqui só confirma. Olha, nós não temos dúvida, a partir do seu depoimento, que o senhor presidente da República incorreu no crime contra a fé pública, constante no Artigo 297 do Código Penal, que diz: ‘Falsificar, no todo ou em parte, documento público, ou alterar documento público verdadeiro’.”

 

Supernotificação

 

Em depoimento, Alexandre disse que nunca indicou uma supernotificação de mortes pela Covid-19. Segundo ele, os dados sobre óbitos durante a pandemia foram levantados para “discutir eventuais inconsistências de notificação”.

 

“Em um cenário no qual não havia previsão orçamentária de recursos para combate à pandemia, comecei a pensar que seria bom discutir se eventuais inconsistências de notificação poderiam causar uma distribuição dos recursos federais sem equidade e sem proporcionalidade às reais necessidade de cada ente subnacional”, explicou.
O levantamento, segundo ele, foi levado aos colegas do TCU. “Concordamos que seria impossível haver um conluio para, deliberadamente, supernotificar os casos de óbitos de Covid-19”, afirmou.

 

Alexandre acrescentou que o documento não era oficial e foi enviado ao pai dele, que repassou ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido). O servidor defendeu que o conteúdo foi usado de maneira indevida pelo mandatário do país. “Sim, [foi usado] indevidamente pelo fato de se atribuir ao Tribunal de Contas da União um arquivo de duas páginas, não conclusivo, e que não era um documento oficial do tribunal”, disse.

 

Relação com Bolsonaro

 

Alexandre Marques é filho do coronel da reserva Ricardo Silva Marques, colega de turma de Bolsonaro na Academia Militar das Agulhas Negras (Aman) e que foi indicado a uma diretoria na Petrobras. O auditor revelou ter enviado o arquivo do relatório, via WhatsApp, ao pai, que teria repassado o levantamento ao presidente.

 

Em depoimento prestado à Corregedoria do TCU no dia 28 de julho, o auditor disse acreditar que o documento foi editado, possivelmente quando chegou à Presidência da República. Segundo ele, o levantamento usado por Bolsonaro e elaborado por ele tratava-se de um arquivo em Word, sem identidade visual, logomarcas, datas ou assinatura da Corte de Contas.

 

Curtiu? Siga o PORTAL DO ZACARIAS no FacebookTwitter e no Instagram.

Entre no nosso Grupo de WhatApp e Telegram

 

Durante a sessão, a CPI aprovou, extra pauta, o requerimento de informações sobre o planejamento de estudos para uma possível terceira dose de vacina contra a Covid-19. O requerimento, do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), será encaminhado ao Instituto Butantan, à Fundação Oswaldo Cruz (FioCruz) e ao Ministério da Saúde.

 

Fonte: Metrópoles

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Nome:

Mensagem:

LEIA MAIS

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

Copyright © 2013 - 2021. Portal do Zacarias - Todos os direitos reservados.