NOTÍCIAS
Coronavírus
24/09/2020

Brasil passa de 139 mil mortes por Covid-19, e média móvel é a menor dos últimos 13 dias, diz boletim da imprensa

Compartilhar:
Foto: Reprodução

O Brasil registrou nas últimas 24 horas 32.445 novos casos e 906 novas mortes por Covid-19. Com isso, são 4.627.780 infectados e 139.065 óbitos no país, segundo dados do consórcio de veículos de imprensa.


O consórcio é formado por O GLOBO, Extra, G1, Folha de S.Paulo, UOL e O Estado de S. Paulo e reúne informações das secretarias estaduais de Saúde. O boletim é concluído às 20h.

 

A média móvel de mortes é de 699, a menor dos últimos 13 dias.

 

Brasil chega a 4,6 milhões de casos de Covid-19 e se aproxima de 140 mil  mortes - Cidadeverde.com

 

A "média móvel de sete dias" faz uma média entre o número de mortes do dia e dos seis anteriores. Ela é comparada com média de duas semanas atrás para indicar se há tendência de alta (acima de 15%), estabilidade (entre 15 e -15%) ou queda (abaixo de -15%).
variação da média móvel nacional está estável nos últimos nove dias. Nesse período, ela foi de -9% a 8%. Atualmente, está em 1%.

 

Cinco estados brasileiros registraram tendência de aumento na média móvel de mortes: Amapá, Amazonas, Bahia, Goiás e Rio de Janeiro.

 

A tendência foi de queda em dez estados, além do Distrito Federal: Acre, Alagoas, Espírito Santo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Piauí, Roraima, Rondônia, Santa Catarina e Sergipe.

 

Onze unidades federativas apresentaram tendência estável no índice: Ceará, Maranhão, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Rio Grande do Sul, Rio Grande do Norte, São Paulo e Tocantins.

 

CoronaVac

 

SP vai receber as primeiras 5 milhões de doses da Coronavac em outubro |  Exame

 

O governo de São Paulo afirmou, nesta quarta-feira, que a vacina chinesa contra o coronavírus, a CoronaVac, não apresentou efeitos colaterais em 94,7% dos 50 mil voluntários testados no país asiático. De acordo com o governador João Doria, os estudos clínicos mostram um índice de 5,3% de efeitos adversos de baixa gravidade. Há expectativa no Butantan de que um resultado preliminar de eficácia possa surgir já em outubro — depende disso a aprovação do imunizante pela Anvisa, para uso na população.

 

— A maioria apresentou apenas dor no local da aplicação. Os resultados comprovam que a CoronaVac tem um excelente perfil de segurança, sendo classificada pela OMS como uma das oito mais promissoras vacinas em estágio final do mundo — afirmou João Doria, em coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes.

 

Entre os 50.027 voluntários chineses testados na fase três, 3.08% apresentaram dor no local da aplicação, 1,53%, fadiga e 0,21% febre moderada.

 

Em São Paulo, dos 9 mil voluntários previstos — todos profissionais de saúde —, 5.600 já receberam doses, desde 21 de julho. Segundo Doria, também não foram identificados efeitos graves. De acordo com Dimas Covas, diretor do Instituto Butantan, os testes serão ampliados para 13 mil voluntários brasileiros. Nessa próxima etapa, serão incluídos idosos e crianças.

 

A previsão é de que as primeiras 5 milhões de doses da CoronaVac cheguem ao Instituto Butantan para distribuição já em outubro. Para que seja iniciada a vacinação, ainda é preciso aguardar a finalização da terceira fase dos testes e a aprovação do imunizante pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

 

Novas vacinas

 

Anvisa autoriza testes clínicos de duas novas vacinas contra covid-19 -  Notícias - R7 Saúde

 

Em entrevista ao GLOBO nesta terça-feira, o infectologista colombiano Ricardo Palacios, gerente médico de Ensaios Clínicos do Instituto Butantan, informou que crianças e adolescentes brasileiros também participarão de estudos sobre a vacina contra a Covid-19, como já acontece na China, e provavelmente ainda este ano.

 

A gigante chinesa Sinovac Biotech desenvolve a vacina CoronaVac, que, se aprovada, deverá ser aplicada em duas doses. No Brasil a liderança dos testes é do Butantan, que busca incluir 9 mil pessoas em seu projeto, sendo que 4 mil já foram recrutados.

 

A Rússia, por sua vez, deve registrar uma segunda vacina em potencial contra a Covid-19 até o dia 15 de outubro, segundo a agência estatal de notícias Tass. No mês passado, o país homologou a vacina Sputnik V, a a despeito do ceticismo de boa parte da comunidade científica internacional, que questionou a suposta falta de transparência sobre o desenvolvimento do imunizante, cujos testes já abrangem mais de 40 mil voluntários.

 

De acordo com o Ministério da Saúde da Rússia, a Sputnik V já foi liberada para a população e a entrega dos primeiros lotes está prevista para um futuro próximo

 

A nova vacina foi desenvolvida pelo Instituto Vector, da Sibéria, que concluiu o estágio inicial de testes em humanos na semana passada.

 

Imunidade de rebanho

 

O que é imunidade de rebanho? - Blog do QG do Enem

Fotos: Reprodução

 

O pior da pandemia já passou, segundo estudo publicado por pesquisadores da Universidade de Princeton (EUA) na revista Science. A equipe traçou oito cenários que podem ser seguidos pelo coronavírus, e em nenhum deles o número de infectados é maior do que em 2020. Segundo o cenário mais otimista, a Covid-19 pode ser quase erradicada nos próxmos cinco anos.

 

Curtiu? Siga o PORTAL DO ZACARIAS no FacebookTwitter e no Instagram.

Entre no nosso Grupo de WhatApp
 

Em Manaus, por exemplo, até 66% da população já foi exposta ao coronavírus. Com este contingente, a cidade já teria atingido o status de "imunidade de rebanho", no qual o vírus encontra dificuldade para se propagar, segundo estudo da USP e da Universidade de Oxford. 

 

EXTRA

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Nome:

Mensagem:

LEIA MAIS

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

Copyright © 2013 - 2020. Portal do Zacarias - Todos os direitos reservados.