NOTÍCIAS
Mulher
18/03/2021

Carta em legítima defesa da vida das mulheres brasileiras

Compartilhar:
Foto: Reprodução

Na última sexta-feira, o STF (Supremo Tribunal Federal) por unanimidade sepultou de uma vez por todas a "pseudotese" defensiva fundada em irreal legítima defesa da honra invocada pela defesa de homens autores de feminicídios. Antes de tecer quaisquer considerações relativas às nuances técnico-jurídicas que envolvem a derrubada dessa pífia argumentação, objeto de celebração nesse paradigmático mês de março que acontece em meio à pandemia da covid-19, importante se fazem observar algumas reflexões acerca dos aspectos sócio-históricos e culturais circunscritos na problemática.


Numa perspectiva história, pensar na construção da violência no Brasil significa pensar na forma como nosso país se consolida como território colonizado e expande suas bases territoriais simbolicamente se apossando de corpos de mulheres indígenas e negras, seja ao cometer o chamado estupro colonial ou as reiteradas mortes de mulheres como forma de reafirmação de costumes sociais. A lógica bandeirante impera e muitos nem concatenam sobre a etimologia do termo.


Ou seja, a violência contra a mulher se constrói a partir de uma dinâmica histórica de opressões e se consolida a partir de uma naturalização cultural, introjetada na sociabilidade contemporânea.

 

Veja também

 Saúde feminina: especialistas indicam nutrientes ideais para cada fase da mulher. VEJA

 

Confira 13 coisas que as mulheres deveriam ouvir todos os dias


Por óbvio, essa lógica de naturalização da violência atua numa dimensão micro e macrossistêmica, incidindo desde os pequenos grupos relacionais, ampliando e direcionando a forma como atuam sistemas de justiça, segurança pública, política, educação.

 

ConJur - PDT pede inconstitucionalidade da tese da legítima defesa da honra

 

A massificação da cultura e tolerância à violência têm se sustentado a partir dos pilares estruturantes do machismo / racismo, que tem reproduzido a métrica das desigualdades. 

 

Dessa forma, a contextualização dos dados históricos à luz das estatísticas, demonstram a constrangedora imagem do Brasil, como o país que ocupa a 5ª posição no ranking mundial daqueles que mais matam mulheres (cis) e é o 1º quando se consideram os feminicídios de mulheres travestis e transexuais!


Nesse cenário é importantíssimo considerar o papel das legislações enquanto regras normatizadoras a embasar as relações sociais, e de inúmeros sistemas outros, aptos a marcar esses espaços de exclusão e a caracterizar o racismo e machismo jurídico.

 

A soberania dos vereditos é direito fundamental na Constituição Federal porque guarda compatibilidade lógica e valorativa com a dignidade da pessoa humana. E afastar o argumento da "legítima defesa da honra" reforça a soberania do Instituto Democrático do Tribunal do Júri, não o oposto.


Na interpretação constitucional podemos ter conflitos apenas em tese de princípios e direitos. A vontade popular do Conselho de Sentença ganha em legitimidade e em democracia quando afasta um argumento contrário à dignidade da pessoa humana.

 

Matei o meu agressor: quando revidar é legítima defesa - 24/06/2020 - UOL  Universa

Fotos: Reproduções

 

A finalidade teleológica do Instituto do Juri é propiciar que o cidadão comum possa exercitar dentro de sua laicidade em relação à técnica jurídica, sua convicção do que entende por justo ou não, culpado ou não. Não integra, portanto, no escopo da finalidade de tal instituto, a sustentação de argumentação e narrativas que violem direitos e valores fundamentais, não comporta abrigo no ordenamento jurídico a utilização de argumentação que se valha de torpeza para justificar o direito de defesa de alguém.

 

Curtiu? Siga o PORTAL DO ZACARIAS no FacebookTwitter e no Instagram.

Entre no nosso Grupo de WhatApp.   


Dessa maneira, a decisão do STF declarou o que deveria ser óbvio: o direito de defesa é absoluto, conquanto não viole direitos de dignidade da pessoa humana, da onde parte o direito de defesa e que lhe é anterior; o direito inalienável de todo sujeito à defesa é garantido justamente porque a proteção máxima à sua dignidade a si é aprioristicamente conferida.

 

Fonte: UOL

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Nome:

Mensagem:

LEIA MAIS

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

Copyright © 2013 - 2021. Portal do Zacarias - Todos os direitos reservados.