NOTÍCIAS
Plantão Policial
07/10/2019

Decisão favorecendo o enteado de Arthur Neto é um tapa na cara da sociedade

Compartilhar:
Foto: Divulgação

Alejandro Valeiko é suspeito número um do assassinato do engenheiro Flávio Rodrigues dos Santos

Por Antônio Zacarias, diretor-geral do "PORTAL DO ZACARIAS" - O enteado do prefeito Artur Neto, Alejandro Valeiko, suspeito número um do assassinato do engenheiro Flávio Rodrigues dos Santos, ocorrido dentro da casa da sua mãe Elizabete Valeiko, a Betinha, conseguiu ser solto antes de ser preso.

 

A inedita decisão da uma desembargadora do Tribunal de Justiça do Amazonas inovou ao substituir uma prisão temporária para domiciliar, sem base legal para tanto.

 

Para uma advogada criminalista ouvida pelo "PORTAL DO ZACARIAS", a decisão da plantonista é "teratológica e não resiste a um mínimo questionamento legal".

 

Prisão temporária se cumpre ou se revoga, não existe hipótese na lei para suspensão ou conversão", concluiu a causídica.

 

O enteado do prefeito Artur Neto é o único acusado do brutal homicídio que foi premiado com a liberdade. Os demais integrantes do grupo criminoso ficarão presos por 30 dias, por enquanto.

 

Veja Também

 

‘A BRONCA DO ZACA’: Quem deu a ordem para o sargento elizeu da paz retirar o corpo de Flávio Rodrigues da casa de Alejandro Valeiko: o prefeito Arthur Neto ou a mulher dele? O POVO QUER SABER!
 
 
EXCLUSIVO! Mulher do prefeito Arthur Neto esteve na casa do filho logo após Flávio Rodrigues ser morto e ajudou a modificar a cena do crime. Por isso, pode ser indiciada e até presa
 
 
 'A BRONCA DO ZACA': EXCLUSIVO! Picape vista desovando corpo do engenheiro Flávio Rodrigues pode ser da Casa Militar da prefeitura de Manaus
 
 
IMAGENS FORTES! Engenheiro da Ambev que estava desaparecido é encontrado morto em terreno baldio no bairro do Tarumã. Ele teria sido assassinado dentro da casa do filho da primeira-dama de Manaus

 

A família do engenheiro, ainda muito abalada emocionalmente com a morte de Flávio Rodrigues, não informou se irá recorrer ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ), denunciando a plantonista Joana Meireles.

 

O caso do homicídio já foi desvendado e todos os participantes da orgia deverão responder pelo crime de homicídio qualificado, cuja pena poderá chegar a trinta anos de prisão.

 

Os responsáveis pela ocultação de cadáver e alteração da cena do crime também deverão ser responsabilizados criminalmente no momento próprio. 

COMENTÁRIOS
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Nome:

Mensagem:

LEIA MAIS

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

Copyright © 2013 - 2020. Portal do Zacarias - Todos os direitos reservados.