17 de Julho de 2024 - Ano 10
NOTÍCIAS
Saúde
16/06/2024

É realmente possível ter Alzheimer e não apresentar sintomas?

Foto: Reprodução

Novo estudo investigou se nossos genes podem influenciar o quão resilientes somos contra os sintomas da doença de Alzheimer

Algumas pessoas parecem ser mais resistentes ao desenvolvimento do Alzheimer, apesar de apresentarem as características biológicas da doença devastadora. Por razões óbvias, os cientistas estão muito interessados ??em estudar este grupo especial.

 

Acredita-se que a doença de Alzheimer, a forma mais comum de demência, comece devido ao acúmulo de duas proteínas no cérebro: amiloide e tau. Uma vez que estas proteínas se acumulam, por razões ainda a serem determinadas, tornam-se tóxicas para as células cerebrais (neurônios), que começam a morrer. Como resultado, as pessoas desenvolvem sintomas como perda de memória porque o cérebro não consegue funcionar adequadamente.

 

Esta cascata de eventos é conhecida há muitos anos e é a forma como a doença progride na maioria das pessoas com Alzheimer. A maioria delas, exceto um grupo especial mais resiliente. Mas por que isso acontece?

 

Veja também

 

Por que pegamos gripe no inverno? Entenda

 

Prefeitura amplia acesso de serviços de saúde básica com construção de novas unidades nas Zonas Leste e Oeste de Manaus

 

Um estudo recente publicado na revista Acta Neuropathologica Communications investigou se os nossos genes podem influenciar o quão resilientes somos contra os sintomas do Alzheimer quando há níveis elevados de amiloide no nosso cérebro.

 

Os cientistas conduziram um estudo sobre os cérebros de três grupos. O primeiro era composto por pessoas que morreram com a doença de Alzheimer. O segundo foram aquelas saudáveis ??que morreram de causas naturais. E o terceiro incluía pessoas que tinham níveis elevados de proteínas de Alzheimer no cérebro, mas nunca desenvolveram sintomas durante a vida — ou pelo menos nunca tiveram um diagnóstico.

 

O último grupo foi considerado resiliente à doença de alzheimer, uma vez que possuíam as proteínas no cérebro, mas não apresentavam sintomas ou diagnóstico da doença de alzheimer durante a vida.

 

Os cientistas descobriram que os genes relacionados com a atividade do sistema imunológico parecem ter sido mais ativos no grupo resiliente de Alzheimer. Isto faria sentido, uma vez que está bem estabelecido que o sistema imunológico ajuda a eliminar o excesso de proteínas do cérebro, pelo que os genes que ajudam neste processo podem tornar-nos mais resistentes ao desenvolvimento de sintomas da doença.

 

Como se tornar resiliente — mesmo que você não tenha os genes

 

Isso é ótimo se você herdou esses genes de seus pais, mas o que isso significa para o resto de nós, que não temos esses genes? Existe uma maneira de nos tornarmos mais resilientes ao desenvolvimento da doença de Alzheimer, independentemente dos nossos genes? “Sim” é a resposta curta.

 

Existem agora boas evidências científicas de que as mudanças no estilo de vida e os medicamentos nos permitem reduzir o risco de desenvolver a doença no futuro.

 

Em particular, foi demonstrado que a atividade física reduz o risco de desenvolver a doença de Alzheimer, provavelmente porque tem um efeito benéfico bem conhecido no nosso sistema imunológico; portanto, ajuda a eliminar as proteínas nocivas que se acumulam no nosso cérebro. Isso significa que ser mais ativo fisicamente pode ter o mesmo efeito na nossa resiliência ao Alzheimer do que as pessoas sortudas que têm os genes “certos”.

 

Curiosamente, não sabemos quão fisicamente ativas eram as pessoas resilientes no estudo e como isso pode ter influenciado a sua resiliência à doença de Alzheimer.

 

 

Curtiu? Siga o PORTAL DO ZACARIAS no FacebookTwitter e no Instagram.

Entre no nosso Grupo de WhatAppCanal e Telegram 

 

Como tantas vezes acontece na ciência, não está claro se a natureza (genes) ou a criação (estilo de vida) contribuíram para a sua resiliência. Outro aspecto interessante é que as pessoas resilientes no estudo morreram de outra causa que não o Alzheimer, mas poderiam ter desenvolvido a doença eventualmente se tivessem vivido mais tempo.

 

Fonte: Metrópoles

LEIA MAIS
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Nome:

Mensagem:

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

Acompanhe o Portal do Zacarias nas redes sociais

Copyright © 2013 - 2024. Portal do Zacarias - Todos os direitos reservados.