NOTÍCIAS
Mulher
21/11/2020

Gravidez e coronavírus: tudo o que você precisa saber a respeito. ENTENDA

Compartilhar:
Foto: Reprodução

Então, o que as mulheres grávidas devem considerar ao ajustar seus planos de parto e tomar precauções nesse momento?

A maioria das mulheres grávidas, durante uma pandemia ou não, são aconselhadas a criar um plano de parto, um conciso documento que clareia preferências da mãe sobre tudo, desde o ambiente hospitalar, o uso ou não de medicamentos para controle de dor até intervenções médicas. Mas, assim como qualquer pessoa que já passou por esse momento sabe, dar à luz um bebê raramente sai como o esperado.

 

Para as famílias que estão grávidas ou estavam até o começo da pandemia, o surgimento da COVID-19 intensificou todo esse sentimento dramaticamente. Para piorar, alguns hospitais ao redor do mundo optaram por não permitir a entrada de pessoas de apoio – incluindo familiares e parceiros – nas unidades de parto e pós-parto. Mesmo que seja um esforço extra para limitar a potencial exposição ao vírus, a mudança deixou muitas mulheres a deriva durante o trabalho de parto, sem o aparato de uma pessoa de confiança.

 

Então, o que as mulheres grávidas devem considerar ao ajustar seus planos de parto e tomar precauções nesse momento? Aqui, os especialistas avaliam o que saber sobre a gravidez e o coronavírus.

 

Veja também

 

Limpeza da pele: Cleansing oil ou água micelar? Entenda a diferença!

 

Efeito glow: 5 dicas para fazer a make que é a cara do verão

 

A experiência do Parto


Chloë Lubell, parteira do Central Park Midwifery, em NY, diz que ter uma pessoa de confiança durante o parto pode afetar diretamente a experiência de uma mulher. “Há muitas pesquisas sérias que mostram que ter uma pessoa de apoio com você durante o trabalho de parto diminui as taxas de epidurais, cesáreas e muitas outras intervenções”, explica. Lubell, que deu à luz três bebês em Mount Sinai West dias antes da mudança de regras nos hospitais, diz que os centros de saúde estão fazendo tudo o que podem para proteger as pacientes grávidas: as máscaras são usadas 24 horas por dia, 7 dias por semana, há muitos protocolos de lavagem e higienização das mãos e o acesso é extremamente restrito, não há exposição desnecessária. “Eu entendo o desejo de ficar longe de hospitais agora, mas o trabalho de parto é um espaço dedicado e essas unidades são completamente protegidas”, acrescenta a Dra. Tani Sanghvi, uma obstetra que atende no Hospital Lenox Hill, parte do Northwell Health.

 

Mas a incerteza em torno da COVID-19 levou algumas mulheres a considerar o parto em casa. Sanghvi - que é contra partos em casa, com pandemia ou não - teme que se surgirem situações de emergência e as mulheres tiverem que ser transferidas no último minuto para um hospital onde a equipe já está sobrecarregada, isso pode aumentar os fatores de risco para o paciente. Lubell acredita fervorosamente que a casa é tradicionalmente um lugar seguro para dar à luz se você estiver sob a orientação de profissionais altamente treinados e experientes, seguindo as diretrizes estabelecidas por organizações como ACNM ou MANA. Mas até ela está preocupada com o atual aumento nos pedidos de parto domiciliar.

 

“Como alguém que trabalha em um hospital e deu à luz em casa, acredito que você precisa ter escolhido o parto em casa por querer dar à luz em casa”, diz ela. “Só ter medo de COVID-19 não é um bom motivo”. Ela acrescenta que as parteiras que fazem partos em casa costumam ir e voltar entre diferentes residências e, potencialmente, têm taxas mais altas de exposição.

 

Proteção durante a gravidez

 

Coronavírus e gravidez: 'ainda não sabemos muito a respeito'

 

Assim como todos os fatores ligados ao vírus, os dados obtidos até agora ainda não podem ser validados com certeza. Mas, pelo que os especialistas observaram em casos na China e na Itália, as mulheres grávidas não parecem ter um risco maior de contrair COVID-19, como é o caso da gripe ou outras doenças respiratórias. “A gravidez em si é um estado em que o sistema imunológico da mulher é suprimido, então, teoricamente, uma mulher grávida pode ser mais suscetível. Mas com base em nossa experiência ainda limitada com COVID-19, não vimos isso”, diz Sanghvi.

 

O que ainda não sabemos é o que pode acontecer se a COVID-19 for contraída no início da gravidez. “Todas as informações que temos neste momento são para mulheres que desenvolveram COVID-19 no terceiro trimestre”, diz Sanghvi. O reconfortante é que as crianças parecem estar protegidas: ao contrário da gripe, que qualifica os recém-nascidos e lactentes como grupo de alto risco (junto com os idosos e grávidas), eles não são mais vulneráveis.

 

Como as mulheres grávidas não correm um risco elevadode adquirir COVID-19, elas devem empregar as mesmas medidas de precaução que todas as outras: distanciamento social e isolamento o máximo possível, lavagem frequente e completa das mãos, sem tocar o rosto. Se você começar a ter febre, diz Sanghvi, não entre em pânico; uma febre pode ser uma indicação de várias coisas (como um resfriado ou gripe) que não são COVID-19. Sua recomendação: ligue para seu médico para obter orientação, mas não apenas compareça ao consultório ou a um pronto-socorro (muitos hospitais têm linhas diretas específicas para gravidez configuradas para responder a perguntas).

 

Suporte pré e pós-parto

 

Pin em Saúde e bem-estar

 


A rede de apoio pós-parto (doulas, consultoras em lactação e, sim, avós e familiares também) deve, por enquanto, limitar-se ao contato online. Como as doulas não são mais permitidas nas unidades de parto e pós-parto, muitas delas rapidamente mudaram de posição para oferecer ampla assistência virtual, tanto durante o trabalho de parto via FaceTime quanto nos meses anteriores e posteriores. “Falei com várias doulas que estão incrementando suas consultas pré-natais e pós-parto virtualmente com suas clientes e estão oferecendo muito apoio, mesmo durante o trabalho de parto”, disse Lubell. Doulas como Morgane Richardson (com sede em Kingston, Nova York) e a equipe da Carriage House Birth, também em NY, já estão totalmente habilitadas virtualmente.

 

Os consultores de lactação também estão mudando para um modelo virtual para ajudar as mulheres com quaisquer problemas de amamentação nos primeiros meses após o parto; getboober.com oferece um link direto para muitos provedores virtuais. O protocolo para consultas pré-natais, é claro, também mudou: a maioria dos médicos e parteiras estão reduzindo drasticamente as consultas pessoais, estendendo o intervalo entre elas e dependendo muito da telemedicina. No consultório de Sanghvi, onde apenas ela e uma assistente trabalham, as consultas são significativamente espaçadas, os pacientes são acompanhados diretamente para as salas de exames e estão sendo tomadas medidas de distanciamento social e desinfecção. “Existem alguns testes urgentes que precisam ser feitos, mas é razoável pular alguns ultrassons”, diz ela.

 

A gravidez e o período pós-parto sempre foram momentos de maior ansiedade, de modo que as redes de apoio emocional ainda são de vital importância. “A paisagem emocional é diferente para mulheres grávidas e novas mães”, diz a Dra. Catherine Birndorf, psiquiatra e diretora médica do Centro de Maternidade de Nova York, que ela cofundou. “É darwiniano que as mulheres já estão em um estado elevado de vigilância, onde são hiperprotetoras de seu feto ou recém-nascido, e a COVID-19 piora essa ansiedade em excesso”. O Centro de Maternidade começou a oferecer webinars semanais para fornecer algumas ferramentas para lidar com essas ansiedades crescentes e mudou seus serviços de saúde mental para mães novas e grávidas para um telemodelo.

 

Engravidar

 

Gravidez x Coronavírus: entenda os riscos da Covid-19 para as gestantes

Fotos: Reproduções

 

Curtiu? Siga o PORTAL DO ZACARIAS no FacebookTwitter e no Instagram. 

Entre no nosso Grupo de WhatsApp.

 

Para aqueles que estão tentando engravidar, toda a incerteza em torno do COVID-19 pode ser especialmente estressante. Não é uma má ideia considerar pedir orientação a um profissional de saúde mental. Em última análise, porém, a decisão se resume a uma escolha pessoal. “Existem alguns casais incrivelmente avessos ao risco que dirão: 'Vamos esperar seis meses até sabermos mais', e há outros que, talvez porque estão tentando há um tempo ou são mais velhos, não vão quero esperar”, diz Sanghvi. Considere que, quando se trata de recursos, muitos provedores de cuidados de saúde e hospitais estão limitados. Mas se a segurança pessoal é sua principal preocupação, pelo que sabemos agora, desde que você siga as diretrizes para se proteger do vírus, você estará bem. Como observa Lubell: “Espero que as pessoas que estejam engravidando agora, quando derem à luz, tudo isso já tenha acabado”.

 

Fonte: Vogue

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Nome:

Mensagem:

LEIA MAIS

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

Copyright © 2013 - 2020. Portal do Zacarias - Todos os direitos reservados.