13 de Julho de 2024 - Ano 10
NOTÍCIAS
Política
09/07/2024

Haddad não defende esforço para tributar armas: 'Impacto é pequeno'

Foto: Hugo Barreto/Metrópoles

Ministro Fernando Haddad ponderou que o impacto da tributação maior das armas é pequeno, apesar de considerar o tema relevante

 Em meio a discussões sobre a inclusão das armas do Imposto Seletivo (IS), também chamado de “imposto do pecado”, na reforma tributária, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, ponderou que o impacto é pequeno, apesar de considerar o tema relevante. Em conversa com jornalistas nesta terça-feira (9/7), ele afirmou:

 

“Vamos distinguir temas relevantes de impactos relevantes sobre a alíquota. São coisas diferentes. Tem coisa muito sensível que é simbólica. E tem coisa que impacta a alíquota geral”.

 

Pouco antes, o ministro havia afirmado que uma alternativa à isenção da proteína animal na cesta básica isenta de impostos pode ser o aumento do cashback (a devolução) aos mais pobres. Na visão dele, os dois temas (armas e carnes) são relevantes, “mas evidentemente a que impacta a alíquota geral recebe uma atenção maior nesse momento do colégio de líderes.”

 

Veja também

 

Escândalo das joias de Bolsonaro repercute na imprensa internacional

 

Michelle, Flávio e Eduardo Bolsonaro vão disputar vaga no Senado em 2026, diz jornal

 

COM A REFORMA TRIBUTÁRIA HAVERÁ DOIS TIPOS DE CESTAS BÁSICAS:

 

alíquota zero; e
alíquota reduzida de 60% e cashback — uma devolução de parte do valor pago por um serviço ou produto.
A inclusão das carnes na cesta básica isenta teria impacto de 0,53 ponto percentual (p.p.) na alíquota pelos cálculos da Receita Federal e de 0,57 p.p pelo modelo do Banco Mundial, que é ligeiramente diferente. A taxa considerada padrão para os impostos, de acordo com o texto atual, sem a isenção das carnes, hoje é estimada em 26,5%.

 

Alvo de divergências entre os deputados, as armas e munições ficaram fora da lista de itens taxados pelo “imposto do pecado”, tributo para desestimular o consumo de produtos e serviços que são prejudiciais à saúde e ao meio ambiente, como bebidas alcoólicas e açucaradas, por exemplo. A base do governo defendia a inclusão na regulamentação da reforma tributária sobre o consumo, mas a oposição mostrava grande resistência.

 

REGULAMENTAÇÃO DA REFORMA TRIBUTÁRIA

 

O presidente da Câmara pretende votar o Projeto de Lei Complementar (PLP) nº 68/2024 ainda nesta semana, a partir desta quarta-feira (10/7). O texto — o principal de regulamentação da reforma sobre o consumo — estabelece a Lei Geral do Imposto sobre Bens e Serviços (IBS), da Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS) e do Imposto Seletivo (IS).

 

Curtiu? Siga o PORTAL DO ZACARIAS no FacebookTwitter e no Instagram.

Entre no nosso Grupo de WhatAppCanal e Telegram 

 

A Câmara dos Deputados suspendeu as reuniões de comissões da Casa agendadas para esta semana, com o objetivo de concentrar os esforços nas discussões sobre a regulamentação antes do recesso parlamentar, que se inicia em 18 de julho.

 

Fonte: Metrópoles

LEIA MAIS
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Nome:

Mensagem:

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

Acompanhe o Portal do Zacarias nas redes sociais

Copyright © 2013 - 2024. Portal do Zacarias - Todos os direitos reservados.