NOTÍCIAS
Interior em Destaque
17/06/2021

Implantação de distrito regional poderá beneficiar setor oleiro

Compartilhar:
Foto: Reprodução

Mais de 30 indústrias cerâmicas poderão utilizar o Gás Natural Canalizado (GN) em seus processos de produção de cerâmicas, telhas e tijolos

Representantes da Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados e Contratados do Estado do Amazonas (Arsepam) participaram de mais uma visita técnica, na terça-feira (15/06), para implantação do projeto piloto do Polo Oleiro no Distrito de Desenvolvimento Regional de Manacapuru e Iranduba, composto por mais de 30 indústrias de olarias e cerâmicas.

 

O projeto visa à implantação do uso de gás natural nesse setor e foi sugerido pela Arsepam à Comissão de Geodiversidade, Recursos Hídricos, Minas, Gás, Energia e Saneamento, da Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam).

 

Atualmente, as olarias utilizam como matriz energética a queima de biomassa (como madeira, resíduos de serraria e papel). Caso os fornos sejam adaptados para utilização de gás natural, haverá garantia de energia limpa e de menor custo, além da diminuição dos impactos ambientais gerados pelos processos de produção.

 

Veja também

 

 

Wilson Lima anuncia mutirão para vacinar pessoas a partir de 30 anos contra a Covid-19 em Manacapuru e Novo Airão


Técnicos da Cosama realizam entrega dos cartões do 'Auxílio Estadual Enchente' no município de Manaquiri, interior do Amazonas

 

Segundo o proprietário da Olaria Montemar, Sandro Santos, a utilização do gás natural como novo combustível diminuiria o tempo de confecção cerâmica em cerca de 40 horas. O setor oleiro cerâmico, atualmente, gera quatro mil empregos diretos, com elevada participação na formação do produto interno bruto da região amazônica. Cerca de 70% do valor da sua produção está relacionada ao valor agregado bruto.

 

A alternativa apresentada pela Arsepam dos serviços de GN no Amazonas, indica a criação de um conglomerado formado por indústrias localizadas nos municípios de Iranduba e Manacapuru, com interesse em optar por uma nova matriz energética em seus processos de produção, o que seria possível desde 2009, com a conclusão do gasoduto Coari-Manaus.

 

“Há dois citygates (ponto de mudança de custódia entre Petrobras e a Companhia de Gás do Amazonas – Cigás) não utilizados, que podem atender essas indústrias, se houver possibilidade de expansão da rede de gás por parte da Cigás”, declarou João Rufino, diretor-presidente. E ressaltou ainda a considerável diminuição dos impactos ambientais gerados pelos processos fabris daquela região.

 

Um grupo de trabalho, dividido entre os eixos econômico, regulador e de licenciamento fundiário, foi criado para tratar do assunto e conta com a participação de representantes das prefeituras de Iranduba e Manacapuru; Arsepam; Companhia de Gás do Amazonas (Cigás); Secretaria Estadual de Política Fundiária (SPF-AM); Secretaria de Planejamento, Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação (Seplancti); Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Amazonas (Crea-AM); Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam); Federação dos Detentores e Elaboradores de Manejo e Enriquecimento Florestal e dos Usuários de Produtos da Floresta do Estado do Amazonas (Fedemflor); Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM); Sindicato da Indústria de Olaria do Estado do Amazonas (Sindicer–AM).

 

Curtiu? Siga o PORTAL DO ZACARIAS no FacebookTwitter e no Instagram. 
Entre no nosso Grupo de WhatsApp.

 

A próxima audiência pública que irá apresentar a conclusão dos estudos está agendada para o próximo dia 13 de julho.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Nome:

Mensagem:

LEIA MAIS

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

Copyright © 2013 - 2021. Portal do Zacarias - Todos os direitos reservados.