NOTÍCIAS
Educação
10/06/2021

Ministro da Educação atribui 'dificuldade extra' no orçamento a decisão do Congresso; cortes são 'opção política', dizem deputados

Compartilhar:
Foto: Reprodução

Audiência da Comissão de Educação debateu na quarta (9) diminuição de recursos públicos para a área e crise econômica nas universidades federais.

O ministro Milton Ribeiro deu esclarecimentos na última quarta (9) numa audiência na Câmara dos Deputados que colocou foco na situação do orçamento do ministério após anúncios de diminuição de recursos e o bloqueio de verbas para a área da educação. Universidades federais relatam que o repasse menor de dinheiro pode impossibilitar o seu funcionamento no decorrer deste ano.

 

Ao longo da audiência com os parlamentares, o ministro da Educação atribuiu complicações extras para o MEC à derrubada no Congresso do veto do presidente Jair Bolsonaro ao projeto de lei que prevê internet gratuita a alunos e professores da rede pública. Estados deverão receber, ao todo, R$ 3,5 bilhões para investir em ações de conectividade escolar - o que inclui a compra de chips, tablets e pacote de dados.

 

"Com a derrubada do veto ao PL 3477, a perspectiva de melhora do cenário orçamentário do MEC, em especial para as universidades e institutos federais, torna-se mais complexa. A derrubada do veto trouxe para mim e para o MEC uma dificuldade extra. A União terá que transferir cerca de R$ 3,5 bilhões ao DF e aos estados brasileiros para a aquisição de tablets e pacotes de dados em razão do teto de gastos. Isso significa que o montante equivalente terá que ser retirado de outras políticas públicas", disse Milton Ribeiro.

 

Veja também 

 

Enem Digital 2021 terá recursos de acessibilidade

 

Ministro da Educação diz que 'abriu mão' de ver questões do Enem 2021: 'De maneira alguma eu terei acesso'

"Considerando a atual situação orçamentária do MEC, há riscos de impactos significativos nas políticas prioritárias do MEC e a preocupação atual é justamente de onde esse montante será retirado. Foi anunciado um desbloqueio de R$ 900 milhões do orçamento do MEC. A derrubada do veto ao PL 3477, no entanto, poderá resultar na necessidade de novos bloqueios, anulando o desbloqueio anunciado."

 

No mesmo dia foi publicado no Diário Oficial da União o desbloqueio de R$ 900 milhões para o Ministério da Educação prometido pelo ministro Paulo Guedes (Economia) na semana passada para aliviar as contas na área.

 

O deputado federal Danilo Cabral (PSB-PE) respondeu que "escolhas são políticas. Dentro do teto dos gastos, dentro do governo existe mais recursos destinados para as Forças Armadas do que para saúde, do que para a educação, do que para a cidadania. Isso é opção política, o governo fez uma opção política".

 

Cabral cobrou do ministro o que classificou de uma postura mais proativa para buscar recursos para a educação. "A Câmara passou a ser culpada pela derrubada do veto. Não pode se conceber que a Câmara tenha arranjado um problema para o MEC", declarou.

 

Orçamento MEC 2020

 

R$ 71,9 bilhões gastos com pessoal e benefícios: 51% do total


R$ 45,7 bilhões com "demais" (complementação federal do Fundeb, salário-educação, Fies e despesas obrigatórias FNDE): 32% do total


R$ 23,1 bilhões com despesas discricionárias: 16% do total


R$ 1,4 bilhão com emendas: 1% do total


Lei do Orçamento Anual (LOA) MEC 2021

 

R$ 77,2 bilhões gastos com pessoal e benefícios: 53% do total


R$ 47,7 bilhões com "demais" (complementação federal do Fundeb, salário-educação, Fies e despesas obrigatórias FNDE): 33% do total


R$ 19,8 bilhões com despesas discricionárias: 13% do total


R$ 1 bilhão com emendas: 1% do total

 

O corte no orçamento das universidades federais poderá afetar mais de 70 mil pesquisas, 2 mil delas relacionadas à pandemia, segundo a Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes). Houve corte de 18,16% no orçamento discricionário de todas as 69 universidades federais. São recursos voltados a pagar as despesas diárias, exceto salários e aposentadorias, que são obrigatórias por lei.

 

Na prática, o corte ocorre na verba que paga despesas básicas, como contas de água, luz, contratos com empresas de segurança, bolsas de pesquisa, alimentação e apoio a alunos carentes.

 

O cenário de penúria neste segundo ano de pandemia se soma aos cortes no orçamento e ao impacto da inflação ocorrido nos últimos 11 anos nos cofres das universidades.

 

O recurso disponível em 2021 é 37% menor se comparado ao de 2010, corrigido pela inflação.

 

Curtiu? Siga o PORTAL DO ZACARIAS no FacebookTwitter e no Instagram.

Entre no nosso Grupo de WhatApp.

 

Em valores atualizados, o orçamento do MEC para o ensino superior em 2010 seria hoje o equivalente a R$ 7,1 bilhões. Em 2021, é de R$ 4,5 bilhões. Houve queda também em relação a 2020, quando foi de R$ 5,5 bilhões. 

 

Fonte: G1

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Nome:

Mensagem:

LEIA MAIS

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

Copyright © 2013 - 2021. Portal do Zacarias - Todos os direitos reservados.