26 de Junho de 2022 - Ano 8
NOTÍCIAS
Meio Ambiente
22/05/2022

Nos 30 anos do Dia da Biodiversidade, país tem recorde de desmatamento

Com o objetivo de conscientizar a população sobre a preservação de todos os ecossistemas, em 22 de maio de 1992 a Organização das Nações Unidas (ONU) criou o Dia Internacional da Biodiversidade.

 

No entanto, nesses 30 anos o cenário piorou e não há o que comemorar. Notícias sobre desmatamento na Amazônia, degradação de biomas, poluição e genocídio indígena tomaram as manchetes do jornais de todo o mundo, especialmente no Brasil, onde a biodiversidade sofre fortes ameaças.

 

Nos últimos quatro anos, de acordo com o Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam), o desmatamento no bioma foi 56,6% maior que no mesmo período de 2015 a 2018.

 

Veja também

 

No bairro Educandos, Polícia Ambiental do Amazonas apreende carvão vegetal irregular em depósito clandestino

 

Torcedores recebem orientações sobre descarte de resíduos na Arena da Amazônia

Segundo dados da ONU e do Greenpeace, 15% da biodiversidade do planeta se encontra na Amazônia. Além disso, a floresta acolhe 30 milhões de espécies animais, dentre essas mais de mil aves já catalogadas, e 85% de todas as espécies de peixes da América do Sul, conforme dados do Instituto Brasileiro de Florestas.

 

A floresta hospeda também 2.500 espécies de árvores, sendo 1/3 de toda a madeira tropical do mundo e 30 mil espécies de plantas, das 100 mil existentes da América do Sul, segundo o Ministério do Meio Ambiente.

 

A porta-voz do Greenpeace Brasil, Cristiane Mazzetti, relembra que há uma crise da biodiversidade em curso e que, apesar do país estar seguindo na contramão da proteção das florestas remanescentes, sabemos o caminho para reverter a situação.

 

“Estamos perdendo espécies da biodiversidade em um ritmo acelerado devido à ações humanas, e um exemplo delas é o desmatamento que está em alta na Amazônia. No entanto, com vontade política é possível reverter este quadro”, pontua.

 

Mazzetti afirma que entre 2004 e 2012, o desmatamento na maior floresta tropical do planeta caiu em 80% após ter sido colocado em prática um plano robusto de combate ao desmatamento que envolvia, dentre outras ações, atividades articuladas de fiscalização e criação de áreas protegidas.

 

“Essas estratégias têm sido ignoradas pela gestão atual, ainda que a ciência alerte para a urgência de ações para conter não só a crise da biodiversidade, mas também do clima, cabe a nós, sociedade, pressionar para que o combate ao desmatamento seja uma política séria e de Estado”, conclui ela.

 

MELHORIAS EM 30 ANOS  


Segundo a gerente de ciências da WWF Brasil Mariana Napolitano, em contraponto com os altos índices de desmatamento, em 30 anos alguns pontos foram melhorados.

 

“Hoje, a partir da instalação de satélites e plataformas digitais, temos informações praticamente em tempo real do que está acontecendo na Amazônia, no Cerrado e em outras regiões. Tudo de forma rápida e ágil”.

 

Napolitano também destaca a criação de áreas de proteção e reconhecimento de territórios indígenas, especialmente no final da década de 90, quando diversas áreas de conservação foram criadas. “Essas extensões são essenciais e fundamentais para combater o desmatamento no bioma”, pontua ela.

 

Mariana afirma que o combate ao desmatamento demanda uma ação coordenada entre vários departamentos. “Desde o governo federal, estadual e o setor privado. Para ajudar na proteção do meio ambiente, a população deve ter consciência sobre o que consome, de onde vem os produtos e se causam algum tipo de degradação ambiental”, conclui.

 

GARIMPO ILEGAL 


Em acordo feito com a ONU, o Brasil se comprometeu a reduzir o volume de gases liberados na atmosfera até 2025 em 37%, tendo como base as emissões registradas em 2005.

 

No entanto, segundo levantamento do MapBiomas, projeto de monitoramento formado por universidades, ONGs e empresas de tecnologia, o garimpo ilegal é um dos responsáveis pelo desmatamento que precisa de atenção.

 

A pesquisa aponta que o garimpo dentro de terras indígenas cresceu 495% de 2010 a 2020. Só nas terras dos yanomamis, a destruição provocada pelos invasores cresceu 46% de 2020 para 2021.

 

Para Daniel Candido, especialista em Recursos Naturais da Imagem Geosistemas, além de praticar ações sustentáveis e a redução de gases poluentes, é preciso buscar medidas para prevenir e combater o desmatamento, focos de incêndio e atividades ilegais para preservar terras indígenas.

 

“Nesse cenário, o investimento em tecnologia geográfica é o mais indicado, por trazer soluções mais rápidas através de sistemas de reflorestamento, monitoramento em tempo real e análises de Big Data”, afirma ele.

 

Os satélites e radares de calor podem monitorar o desmatamento e as queimadas em lugares como a Amazônia, e oferecer a análise de imagens que são transmitidas em tempo real para possibilitar a rápida identificação de alterações no terreno, suas causas e consequências.

 

Curtiu? Siga o PORTAL DO ZACARIAS no FacebookTwitter e no Instagram.

Entre no nosso Grupo de WhatApp e Telegram

 

Assim, é possível acionar rapidamente o órgão responsável mostrando, por exemplo, a área em que está havendo incêndios florestais ou desmatamento por garimpo ilegal, além de auxiliar o governo na tomada de decisões para a realização de medidas protetivas e preventivas. 

 

Fonte: Metrópoles

LEIA MAIS
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Nome:

Mensagem:

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

Acompanhe o Portal do Zacarias nas redes sociais

Copyright © 2013 - 2022. Portal do Zacarias - Todos os direitos reservados.