24 de Fevereiro de 2024 - Ano 10
NOTÍCIAS
Internacional
29/11/2023

Nova doença na China? Comissão Nacional de Saúde reportou um aumento na incidência de doenças respiratórias

Foto: Reprodução

O aumento de doenças respiratórias após um período prolongado de redução de contato social é esperado

No dia 13 de novembro, a Comissão Nacional de Saúde da China reportou um aumento na incidência de doenças respiratórias, principalmente em crianças, em todo o país.

 

Para um mundo que acaba de sair de uma pandemia respiratória global iniciada na China, é compreensível a apreensão. A autoridade sanitária chinesa, no entanto, atribuiu o ocorrido a uma maior incidência de doenças respiratórias sazonais, que ficaram “dormentes” durante a pandemia e retornam.

 

Vírus como influenza, VSR, o próprio Sars-CoV-2, e bactérias como Mycoplasma pneumoniae podem estar causando este surto. Tanto RSV quanto M. pneumoniae são patógenos comuns em crianças.

 

Veja também

 

Hamas e Israel discutem nova fase de trégua em Gaza

 

Hamas está disposto a prolongar trégua com Israel por mais quatro dias, diz fonte palestina

 

A Organização Mundial de Saúde (OMS) também está apreensiva, e desta vez, monitora de perto qualquer indício de surto ou epidemia. Em 22 de novembro, após receber relatórios e monitoramento de mídia que apontavam para concentrações de internações hospitalares de crianças com doenças respiratórias, mas sem diagnóstico claro, a OMS contatou a China, pedindo dados clínicos e epidemiológicos.

 

Autoridades chinesas informaram que havia realmente um aumento de casos de pneumonia causada por Mycoplasma pneumoniae, desde maio, e VSR, adenovírus e influenza, desde outubro.

 

O aumento de doenças respiratórias após um período prolongado de redução de contato social e restrição de mobilidade é esperado. Vários países observaram mais casos de influenza e VSR com a chegada do inverno.

 

Durante o período de confinamento, a população teve menos contato com estes microrganismos. Crianças podem nunca ter tido contato prévio e ser mais suscetíveis. O que chama mais a atenção, no caso da China, seja a presença da pneumonia bacteriana.

 

Mycoplasma pneumoniae causa uma infecção respiratória que costuma ser leve e passar sozinha. Em casos mais raros, pode evoluir para uma pneumonia e precisar de hospitalização. No caso da China, o complicador talvez seja a prevalência de bactérias resistentes ao principal antibiótico usado para tratar esta doença.

 

A Mycoplasma pneumoniae é uma bactéria que não tem parede celular. Bactérias têm algumas estruturas que não aparecem em células humanas. Estas estruturas são justamente o alvo da maioria dos antibióticos. A parede celular bacteriana é uma delas.

 

Antibióticos da família da penicilina atuam exatamente ali, o que os torna inúteis para esta bactéria. Sobram então os antibióticos que atacam outros alvos. No caso da M. pneumoniae, o antibiótico preferido é da família dos macrolídeos. Mais precisamente, um velho conhecido nosso da pandemia, a azitromicina.

 

Desde antes da pandemia, a resistência destas bactérias à azitromicina já era um problema. Na Ásia, até 90% dos Mycoplasma pneumoniae são resistentes. Isso pode ser uma das razões pelas quais temos mais hospitalizações na China.

 

Outro motivo, que não deve ser descartado, é o medo residual deixado pela pandemia. Algumas reportagens mostram que pais e mães de crianças acometidas preferem levá-las direto ao hospital, e ficam muito nervosos se a doença dura mais do que dois ou três dias.

 

Se não há motivo para pânico, certamente há motivo para que a evolução da situação chinesa e a natureza exata do problema sejam comunicados com transparência e, mais uma vez, para alertar o mundo sobre a importância do uso responsável de antibióticos. O uso irracional e irresponsável da azitromicina durante a pandemia certamente não ajudou a diminuir os casos de Mycoplasma pneumoniae resistente.

 

Curtiu? Siga o PORTAL DO ZACARIAS no FacebookTwitter e no Instagram

Entre no nosso Grupo de WhatApp e Telegram

 

Esta bactéria não é nem de longe tão contagiosa quanto o vírus Sars-CoV-2. Este surto de pneumonia bacteriana na China não parece ser motivo para grande preocupação, mas é bom saber que as autoridades internacionais estão mais atentas. Talvez tenhamos aprendido alguma coisa com a pandemia. 

 

Fonte:O Globo

LEIA MAIS
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Nome:

Mensagem:

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

Acompanhe o Portal do Zacarias nas redes sociais

Copyright © 2013 - 2024. Portal do Zacarias - Todos os direitos reservados.