NOTÍCIAS
Mulher
16/06/2021

Queda de cabelo pós COVID 19: cuidados e como tratar

Compartilhar:
Foto: Reprodução

A queda de cabelo também é um efeito colateral do coronavírus. Os médicos dizem que muitos pacientes que estão se recuperando do Covid-19 apresentam queda de cabelo, não devido ao vírus em si, mas devido ao estresse fisiológico de combatê-lo.

 

A interrupção do ciclo de crescimento do cabelo deve-se a situações traumáticas vividas em nosso corpo, como a infecção de Covid 19. Mas não produz calvície nem é para sempre.

 

Não é um dos efeitos mais sérios da Covid, mas é um dos mais impactantes. Ficar com vários fios de cabelo na mão é, para dizer o mínimo, alarmante. Muitos pacientes com coronavírus são afetados por essa queda maciça de cabelo, conhecida como eflúvio telógeno, uma alteração do ciclo de crescimento do cabelo. A boa notícia é que é reversível.

 

Veja também 

 

Mulheres bebem mais na pandemia: nos ensinaram a buscar o abraço em um copo

 

Veja 5 maneiras de eliminar rugas que apareceram em seus lábios usando a máscara

Perda de cabelo por causa da COVID

 

Um estudo liderado pelo Dr. Óscar Muñoz, dermatologista do Grupo de Tricologia do Hospital Ramón y Cajal, avaliou 200 casos em que ocorreu eflúvio telógeno entre o terceiro e o quarto mês após a infecção pelo COVID-19. “O que observamos é que essa queda abundante de cabelo ocorreu principalmente em pessoas que tiveram febre devido à infecção por SARS-CoV-2.”

 

queda de cabelo pos covid

 

Uma situação estressante para o corpo pode causar a queda


A alteração do ciclo capilar ocorre quando um determinado dano interrompe seu crescimento. A queda não é imediata, mas ocorre entre dois e quatro meses após a alteração do ciclo. Os ataques que podem desencadear o eflúvio telógeno são infecções; entre elas; contágio do coronavírus; cirurgias; eventos traumáticos ou estressantes, sejam físicos ou emocionais; gravidez e parto ou deficiências de vitaminas.

 

 

O estresse gerado pelo confinamento tem sido uma causa muito importante de queda de cabelo que faz com que os tecidos em geral sofram danos vasculares e mais especificamente o folículo piloso. Esse dano vascular afeta a microcirculação, que está comprometida, e impede que a irrigação e os alimentos cheguem o folículo piloso. Com Covid, ocorre coagulação intravascular disseminada, os pequenos capilares que nutrem o folículo capilar são danificados e é preciso descobrir o que falta de nutriente em cada pessoa.

 

Sintomas … Você não vai ficar careca


A coisa mais evidente em um eflúvio telógeno é uma queda de cabelo muito abundante. Fios de cabelo são encontrados no chuveiro ou na escova de cabelo constantemente. Às vezes também tocamos nosso cabelo e ficamos com o cabelo na mão.

 

 

No entanto, essa perda não leva à alopecia ou calvície, embora seja importante descartar que ao mesmo tempo haja uma alopecia androgênica que levaria a uma queda significativa de cabelo. Por isso é necessário realizar um estudo tricológico, com tricoscopia e um exame de sangue completo para detectar se existem níveis baixos de oligoelementos ou vitaminas.

 

Quando desaparece a queda de cabelo pós COVID?


O eflúvio telógeno agudo desaparece por conta própria quando a causa principal é eliminada. Portanto, os tratamentos neste tipo de condições são únicos para cada paciente. O tratamento é totalmente personalizado e depende da necessidade de cada pessoa. Consiste na associação de diferentes instrumentos terapêuticos que já existem no mercado, alguns são muito antigos e outros nem tanto.

 

Em um mercado cosmético saturado de complexos vitamínicos, eles são realmente eficazes para problemas de cabelo? Quando se trata de vitaminas e complexos vitamínicos, não existe uma vitamina específica que funcione bem para todos de uma forma generalizada. Por meio de exames de sangue é necessário descobrir as deficiências de cada um.

 

Fotos: Reprodução 

 

Com o tratamento adequado, a queda de cabelo diminuirá gradativamente, notando-se cada vez menos queda de cabelo e uma fase de regeneração terá início. Todo o processo é muito lento e pode levar de três a seis meses, às vezes até um ano. Em algumas ocasiões, o eflúvio telógeno pode ser crônico e prolongado ao longo do tempo.

 

Tratamentos para queda de cabelo pós COVID


Durante a pandemia, nenhum tratamento novo saiu. Os laboratórios lançam constantemente shampoos ou cremes revitalizantes, mas quando se trata de tratamentos dermatológicos, não há nada de novo ou inovador. Mas esses tratamentos são constantemente usados:

 

Plasma rico em plaquetas


As injeções de plasma rico em plaquetas são um dos tratamentos de medicina regenerativa mais eficazes para o fortalecimento do cabelo. A bioestimulação que produz no couro cabeludo acelera o processo de crescimento do cabelo. O tratamento é indolor e consiste na injeção de plasma rico em plaquetas nos folículos capilares, obtido a partir de uma simples coleta de sangue do paciente.

 

A sua aplicação no tecido promove a formação de colágeno e o aparecimento de novos vasos sanguíneos, essenciais para estimular o crescimento de novos cabelos.

 

Microenxerto capilar em casos muito graves


O enxerto capilar consiste na realização de um transplante capilar do paciente: o cabelo é extraído de uma área sã do couro cabeludo para implantá-lo nas áreas que foram despovoadas e que queremos recuperar. Os resultados são muito naturais, quase impossíveis de diferenciar um cabelo original de um transplantado. Sem dor, sem longos processos pós-operatórios e sem desconforto.

 

Curtiu? Siga o PORTAL DO ZACARIAS no FacebookTwitter e no Instagram.

Entre no nosso Grupo de WhatApp.

 

O cabelo, uma vez transplantado na área afetada pela calvície, terá um crescimento definitivo idêntico ao do cabelo nas áreas não transplantadas.

 

Fonte: We Fashion Trends

 

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Nome:

Mensagem:

LEIA MAIS

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

Copyright © 2013 - 2021. Portal do Zacarias - Todos os direitos reservados.