NOTÍCIAS
Política no Amazonas
28/11/2020

Relator do caso 'rachadinha', Luís Roberto Barroso pede a condenação do deputado Silas Câmara, e perda de mandato

Compartilhar:
Foto: Reprodução

Silas Câmara (Republicanos-AM)

O Supremo Tribunal Federal (STF) começou a julgar nesta sexta-feira (27) um processo que envolve o crime conhecido como “rachadinha” e que pode ter impacto no caso do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ).

 

O tema será analisado no plenário virtual, a partir de uma ação penal aberta contra o deputado federal Silas Câmara (Republicanos-AM), líder da bancada evangélica na Câmara dos Deputados. Por ser virtual, os ministros têm de hoje até o dia 4 de dezembro para apresentar os votos.

 

Veja também

 

Apadrinhado de Silas Câmara é preso pela Polícia Federal por suspeita de cobrar propina de empresário e conceder benefícios do INSS a parentes e amigos

 

Procuradoria-Geral da República pede a prisão de Silas Câmara por ele ter empregado 18 funcionários fantasmas e ainda ter se apropriado de quase R$ 145 mil dos salários deles

 

Voto de Barroso


O relator do caso, o ministro Luís Roberto Barroso, votou para condenar o parlamentar em uma pena de cinco anos e três meses de reclusão, além da perda do mandato.

 

Segundo Barroso, os elementos probatórios produzidos na instrução processual demonstraram que o réu, valendo-se do cargo de deputado federal, desviou recursos públicos destinados ao pagamento de assessores parlamentares, em proveito próprio.

 

“Também devem ser valoradas negativamente as circunstâncias em que cometido o delito. O acusado não simplesmente desviou valores a que teve acesso em razão de sua condição funcional. Ele montou um esquema de desvio de dinheiro público destinado ao pagamento dos salários dos servidores do seu gabinete, vários dos quais pessoas simples, com pouca instrução, que acabavam ficando com quantias irrisórias ao fim de cada mês”, disse.

 

Voto de Fachin


O ministro Edson Fachin também já votou e acompanhou Barroso. Para ele, no período da ocorrência dos fatos descritos na denúncia, é possível verificar a existência periódica de inúmeros depósitos não identificados (alguns, inclusive, realizados no mesmo dia e nos mesmos valores), a transferências de valores ou a realização de depósitos feitos por seus próprios secretários parlamentares em datas próximas ao recebimento das respectivas remunerações e os subsequentes saques.

 

O deputado Silas Câmara foi denunciado no STF por peculato, sob a acusação de empregar em seu gabinete "funcionários fantasmas" e de ter retido parte ou a totalidade dos salários de secretários parlamentares. Os crimes teriam ocorrido entre 2000 e 2011, totalizando um desvio de quase R$ 145 mil, em valores da época.

 

O deputado Silas Câmara (Republicanos-AM)

Foto: Reprodução

 

Segundo a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR), Silas nomeou 18 servidores em cargos comissionados para atuar em seu escritório de representação estadual e no gabinete na Câmara dos Deputados.

 

Curtiu? Siga o PORTAL DO ZACARIAS no FacebookTwitter e no Instagram.

Entre no nosso Grupo de WhatApp. 

 

No entanto, conforme depoimento do funcionário Raimundo da Silva Gomes, considerado o operador financeiro do esquema, o parlamentar exigia constantemente que os secretários parlamentares entregassem parte, ou até mesmo o total da remuneração.

 

Fonte: CNN Brasil

COMENTÁRIOS
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Nome:

Mensagem:

LEIA MAIS

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

Copyright © 2013 - 2021. Portal do Zacarias - Todos os direitos reservados.