NOTÍCIAS
Carnaval 2020
25/02/2020

Suíço e brasileira se casam no Carnaval em cima de trio de Durval Lélys

Compartilhar:
Foto: Reprodução

Atualmente morando em Singapura, a mais de 15 mil quilômetros de Salvador, casal reuniu amigos e parentes para curtir o bloco Me Abraça

Pedido de casamento no Carnaval de Salvador é tão comum que já faz parte do script, todo mundo espera por um. Mas, neste ano, um casal resolveu fazer diferente. Érika e o suíço Marcel, juntos há quase quatro anos, conseguiram convencer uma juíza de paz a realizar a festa de casamento deles em cima de um trio. De acordo com o cartório, tudo indica que o feito, com direito a abadá, véu, grinalda e papel passado pode ter sido inédito.

 

Debaixo do sol de verão, Christiane, prima da noiva, subia e descia do trio organizando os detalhes. Era segunda-feira de carnaval e o casamento estava marcado para 16h30, na concentração do bloco Me Abraça, puxado por Durval Lélys. Posicionado no circuito Barra Ondina, na curva do Hospital Espanhol, o trio tinha previsão de sair às 18h.

 

Enquanto Érika não chegava, amigos e parentes do casal contavam os detalhes da história de amor dos dois e os motivos por trás desta ‘loucura’. Segundo o pessoal, Marcel Brust alugava o apartamento da irmã de Érika Silva em São Paulo e, recém-divorciado, o inquilino andava meio tristinho. O gringo comentou que estava a fim de conhecer pessoas e então Ivy Borba, a amiga coviteira, o convidou para o aniversário dela num bar.

 

Veja também

 

São Paulo conhece hoje campeã do Carnaval. VEJA COMO SERÁ APURAÇÃO

 

Última noite de Carnaval no Rio é marcada por luxo e tombo de rainha. VEJA

Pronto, foi a deixa. Ali o casal começou a desenvolver o sentimento e, quatro meses depois, Érika trouxe Marcel para conhecer a folia soteropolitana, na qual ela marca presença há mais de dez anos. 

 

Foto: Reprodução

 

Em 2017, o casal saiu no Camaleão e no Me Abraça e, mais tarde, na sacada do hotel, enquanto viam o carnaval passar na avenida, Érika sugeriu: — A gente podia se casar em cima do trio. Quem disse que Marcel fugiu? Colou na corda e comprou a ideia maluca na mesma hora.

 

Mas não foi fácil. Christiane explica que os cartórios não queriam realizar o enlace no local inusitado e a produção do bloco achou a logística complicada demais. “Foi difícil convencer, né? Porque não é todo mundo que faz essas doideiras”, conta ela. Por fim, o Cartório de Nazaré foi o único que topou a façanha.

 

E foi ali, no quadradinho da frente do trio, com vista para o Farol da Barra, que Érika e Marcel concretizaram sua loucura de amor e ouviram de Camila: “Em nome da lei, eu os declaro casados”.

 

Ironicamente, mesmo a bordo de um trio, o pessoal precisou providenciar uma caixinha de som portátil para que a juíza pudesse fazer o proferimento. Ao fim, embalados por músicas de Durval Lélys, os pombinhos se abraçaram e se emocionaram. “A energia da Bahia fez com que a gente quisesse fazer o nosso casamento aqui”, disse Érika. Com as canções de Durval na ponta da língua, Marcel disse que quando conheceu a alegria do carnaval quis transportá-la para a festa deles.

 

Enquanto os noivos usavam os trajes tradicionais de casamento, os convidados estavam todos de abadá do bloco. Para aguentar o calor, Érika escolheu um vestidinho curto, rasteirinha e buquê com fitinhas do Bonfim. Ele, bermuda e colete. Nas roupas de ambos, o destaque era o símbolo do Me Abraça apregoado.

 

Atualmente, ambos moram em Singapura, no sul da Malásia, a mais de 15,6 mil quilômetros de Salvador. Ele é diretor de uma empresa e ela trabalha com importações. Apesar da distância, eles conseguiram trazer cerca de 25 convidados de São Paulo, Suíça e Romênia para apresentá-los ao carnaval. Com três nacionalidades a bordo, era quase um Trio de Babel. A princípio, a galera tinha ficado assustada, mas acabaram curtindo a ideia.

 

Curtiu? Siga o PORTAL DO ZACARIAS no FacebookTwitter e no Instagram.

Entre no nosso Grupo de WhatApp.

 

Mestres da arte da relojoaria, os suíços inclusive viraram piada. Como o casamento estava marcado para às 16h30, os convidados brasileiros começaram a brincar se o horário válido era nos relógios daqui ou de lá. “Você sabe, aqui a gente marca 16h para começar 17h”, riu um amigo. No país suíço a pontualidade é levada a sério, mas, ironicamente, os brasileiros acabaram chegando primeiro.

 

Correio

 

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Nome:

Mensagem:

LEIA MAIS

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

Copyright © 2013 - 2020. Portal do Zacarias - Todos os direitos reservados.