02 de Julho de 2022 - Ano 8
NOTÍCIAS
Mulher
12/11/2021

VIVA A VULVA: entender o órgão feminino é 1º passo para afirmar direito à saúde sexual e ao prazer

Foto: Reprodução

Estudo realizado no Reino Unido mostrou que apenas 46% conseguiram identificar que as mulheres possuem "três buracos". Maioria das mulheres só alcança o orgasmo com a manipulação do clitóris.

A saúde da mulher passa pela vulva: clitóris, grandes e pequenos lábios, uretra, abertura vaginal e períneo (veja ilustração abaixo). Na anatomia feminina, este é o conjunto que forma a parte externa do órgão sexual e que toda mulher e todos os homens deveriam conhecer, seja para a plena realização sexual ou mesmo para os cuidados essenciais à saúde.

 

Mas a vulva é, para muitos, uma incógnita. Inclusive para um sem número de mulheres, vítimas do desconhecimento que não é fruto do acaso.

 

Apontando o contexto de repressão social e religiosa histórica sobre as mulheres, a médica ginecologista Mariana Viza lembra que muitas têm dificuldade para olhar e tocar o próprio corpo porque associam o ato a algo impróprio ou sujo, e o mesmo não ocorre de forma geral com os homens.

 

Veja também 

 

Libido: entenda como o envelhecimento afeta o apetite sexual da mulher

 

Metade das mulheres perdeu desejo sexual na pandemia, revela estudo

(SAÚDE SEXUAL: esta reportagem integra série do G1 Sexualidade sobre o papel do sexo no bem estar e na saúde; leia as já publicadas sobre ejaculação precoce, aumento peniano, orgasmo feminino e mais.)

 

"O pênis é todo externo. Já a vulva a gente não enxerga ali, é preciso de um espelhinho. E desde criança já tem essa coisa de (a menina) 'não pode encostar'. Isso acaba prejudicando condições de saúde mesmo, porque o câncer de vulva, por exemplo, começa com uma manchinha bem pequenininha. Se a pessoa não olha, aquilo pode crescer, simplesmente por não olhar", aponta Mariana Viza.

 

Anatomia da vulva — Foto: Arte/g1

 

Para além das condições gerais de saúde, especialistas alertam que é preciso conhecer o papel da vulva no orgasmo feminino e exercitar a autodescoberta, para a qual a masturbação (que pode incluir os vibradores) é recomendada.

 

"Se a mulher não se acostuma a ter uma relação saudável com ela mesma, ela nunca vai conseguir compartilhar uma relação saudável com outra pessoa", diz Mariana Viza.

 

A médica ginecologista Mariana Viza — Foto: Reprodução/TV Globo

A médica ginecologista Mariana Viza 

 

Pesquisa comprova ignorância sobre o tema


A observação da realidade comprova a ignorância. Uma pesquisa publicada em março deste ano liderada por ginecologistas e epidemiologistas do Reino Unido revelou que, entre 191 participantes, apenas 46% conseguiram identificar que as mulheres possuem "três buracos": uretra, abertura vaginal e ânus.

 

Quando foi pedido para que os participantes nomeassem cada uma das sete estruturas que compõem a vulva, quase metade (46%) não respondeu. Entre os participantes que tentaram, apenas 9% responderam corretamente, enquanto quase metade não conseguiu identificar a uretra e 37% rotularam incorretamente o clitóris.

 

O clitóris é a estrutura exclusiva das mulheres cuja única função é proporcionar prazer. As estruturas que foram mais facilmente identificadas foram a vagina (71%), o ânus (67%) e os lábios (49%). Por outro lado, o períneo se mostrou o mais desconhecido pelos participantes, onde apenas 18% acertaram.


Especialistas apontam que o desconhecimento causa efeitos diretos na realização sexual: sem nunca ter se tocado ou identificado áreas de prazer, mulheres entram em relacionamentos insatisfatórios onde desconhecem o prazer e o direito sobre o próprio corpo. "Fato é que quando você vai conversar com pessoas que têm uma vida sexual de péssima qualidade, descobre que é porque nunca teve um orgasmo", afirma Mariana.

 

De acordo com a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), apenas 30% a 36% das mulheres têm orgasmo com o movimento do pênis dentro da vagina. A maioria das mulheres (60% a 70%) só consegue ter orgasmo com a manipulação do clitóris por elas mesmas ou pelo parceiro durante a relação sexual ou na masturbação.

 

Na ilha de Jeju, na Coreia do Sul, o parque Loveland (“Terra do Amor”, em tradução livre), é um espaço que reúne 140 esculturas de posições sexuais. — Foto: Reprodução

Na ilha de Jeju, na Coreia do Sul, o parque Loveland (“Terra do Amor”,

em tradução livre), é um espaço que reúne 140

esculturas de posições sexuais

 

"É recomendado que as mulheres se masturbem porque é através da masturbação que a mulher vai conhecer suas próprias sensações. A mulher precisa se olhar, entender o corpo dela, entender o seu toque e como ela sente o prazer", afirma Carla Cecarello, psicóloga especialista em sexualidade humana.

 

Consequências da repressão


Embora as mulheres tenham ido melhor na pesquisa do que os homens, apenas 41% delas conseguiu identificar corretamente o local da vagina. Entre os homens, esse percentual cai para 15%. Esse dado é preocupante porque evidencia que, embora homens e mulheres estejam tendo relações sexuais, não necessariamente eles sabem quais as cavidades responsáveis pelo prazer.

 

Embora pareça absurdo, há casos de parceiros que confundem as cavidades corporais da parceira e acabam proporcionando dor em vez de prazer - e as mulheres não percebem.

 

Em janeiro desde ano, a Febrasgo compartilhou um caso clínico de uma mulher de 29 anos de idade deu entrada no pronto-socorro alegando que o vibrador que seu parceiro estava utilizando para promover estimulo erótico no seu clitóris se perdeu durante a relação sexual.

 

O bullet é um tipo de vibrador utilizado para massagem externa — Foto: Panty Nova | Reprodução

O bullet é um tipo de vibrador utilizado para massagem externa

— Foto: Panty Nova | Reprodução

 

“Ela achou que o vibrador, que media 10 cm de comprimento por 1,2 cm de diâmetro estava dentro da vagina, porque conseguia sentir as vibrações durante a relação sexual pênis-vagina. (...) O exame de imagem registrou a presença do vibrador na pelve e o exame laparoscópico evidenciou-o dentro da bexiga”, relata a publicação.

 

Segundo a Federação, não são poucos os relatos na literatura médica de casos de dilatação da uretra pela penetração repetida do pênis. “Essas mulheres seguem tendo penetração sem saber que estão tendo relação pênis-uretra”, afirma a Federação.

 

Sobre as partes e papeis das estruturas da vulva


O primeiro passo para entender a vulva é compreender que vulva e vagina não são a mesma coisa. Vulva é o nome dado para a parte externa do aparelho genital feminino, enquanto a vagina é uma cavidade dentro da vulva.

 

Na parte externa da vulva temos os grandes e os pequenos lábios, cuja função é proteger a abertura da vagina e da uretra, o clitóris, o períneo e o ânus.

 

Os grandes lábios estão localizados nas laterais da vulva e, geralmente, têm pelos.

 

Os pequenos lábios, por outro lado, estão na parte interna e não possuem pelos. São formados por uma mucosa, que está sempre úmida. O tamanho dos grandes e pequenos lábios varia de mulher para mulher, e todos são considerados normais.

 

Abrindo os pequenos lábios temos a abertura da vagina (a maior cavidade), onde ocorre a penetração durante o ato sexual, e acima a uretra (um buraquinho menor), por onde sai a urina.

 

É importante ressaltar que é pela vagina que escorre o sangue durante a menstruação ou por onde saem secreções, mas nunca urina.

 

Em seguida, há o clitóris, órgão relacionado ao prazer feminino. Ele pode ser identificado na parte externa da vulva como o pontinho localizado no começo da vulva, na junção dos pequenos lábio, funcionando como ponto de encontro.

 

O clitóris está localizado acima da uretra e da vagina.

 

Curtiu? Siga o PORTAL DO ZACARIAS no FacebookTwitter e no Instagram.

Entre no nosso Grupo de WhatApp e Telegram
 

Por fim, temos o períneo (região que fica entre a vagina e o ânus) e, ainda na mesma região está o ânus, responsável pela excreta de fezes. 

 

Fonte: G1

LEIA MAIS
DEIXE SEU COMENTÁRIO

Nome:

Mensagem:

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

Acompanhe o Portal do Zacarias nas redes sociais

Copyright © 2013 - 2022. Portal do Zacarias - Todos os direitos reservados.